Esposa do ministro Admar Gonzaga, do TSE, retira queixa de agressão

A esposa do ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga Neto, 56 anos, voltou à 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), na tarde desta sexta-feira (23/6), para retirar a queixa de agressão. Acompanhada do marido, Elida Souza Matos fez uma retratação da denúncia de violência doméstica, realizada durante a madrugada. Segundo o advogado da família, Antônio Carlos de Almeida, o Kakay, ela disse na delegacia ter feito a denúncia no calor dos acontecimentos e apresentou uma retratação. A expectativa é que o processo seja arquivado.

O caso estava sendo tratado na unidade policial como violência doméstica, injúria e lesão corporal. Agora, com o pedido de retratação, o delegado-chefe terá que fazer um termo solicitando o arquivamento, mas isso só ocorrerá após decisão da Justiça. O pedido precisa ser levado ao Supremo Tribunal Federal (STF), o que deve ser feito na segunda-feira (26/6). “A retratação foi realizada de forma espontânea, imediata e o próximo passo é o arquivamento”, afirmou Kakay.

Durante a madrugada, Elida fez um boletim de ocorrência onde relatou aos policiais que o magistrado a teria agredido, causando-lhe um ferimento no olho, durante uma discussão na casa do casal, no Setor de Mansões Dom Bosco, no Lago Sul.

A esposa do magistrado contou que foi xingada por Admar, com quem convive há mais de dez anos. Segundo ela, o marido chegou a dizer: “você não serve nem pra pano de chão”. A mulher o acusou ainda de ter jogado enxaguante bucal nela. A Polícia Militar foi acionada e a levou à delegacia.

A reportagem do Metrópoles entrou em contato com a Comunicação Social da Polícia Civil, mas até a publicação desta reportagem não havia recebido resposta.

Fonte: metropoles.com

Deixe uma resposta