fbpx
Estudo realizado por jornal mostra que eleitor de Bolsonaro não conhece as idéias do deputado

O jornal Valor realizou um estudo com um grupo de eleitores do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e descobriu que eles não levam ao pé da letra muitas das propostas do parlamentar.

Os participantes foram provocados a dizer o que fariam se algum dia flagrassem um filho fumando maconha. Nenhum deles fora avisado que, anos atrás, o parlamentar disse que submeteria o próprio filho à tortura numa situação como essa. O mediador do estudo, conduzido pela empresa de marketing político Ideia Big Data, ofereceu quatro opções aos oito eleitores do experimento: a) deixaria o filho fumando numa boa e apenas explicaria que aquilo poderia fazer mal; b) conversaria com o rapaz e tentaria convencê-lo a parar; c) denunciaria o menino à polícia; ou d) partiria para a tortura.

Quando o mediador leu a terceira opção, alguns já começaram a reagir com estranhamento. “Quem vai entregar um filho pra polícia?”, disse uma mulher. Quando leu a quarta alternativa, caíram na risada. Ninguém cogitou a hipótese de torturar um filho, a resposta de Bolsonaro. No grupo, todos concordaram que o melhor caminho é o da conversa. Talvez para surpresa ainda maior do próprio Bolsonaro, contumaz defensor de “punição ao vagabundo” quando o assunto é usuário de drogas, seus simpatizantes foram além. Com o debate instalado, a conversa evoluiu para uma concordância geral a favor da legalização da maconha. “Eu acho que é a mesma coisa do cigarro, da bebida”, disse um. “Geraria muito imposto com a venda liberada”, argumentou outro. “Se fosse liberado, seria feito por um farmacêutico e não teria tanta porcaria junto.” A desconexão entre o que Bolsonaro diz e o que esses seus simpatizantes pensam nesse caso específico resume bem parte das conclusões da pesquisa, promovida para tentar entender o que passa pela cabeça dos adeptos do deputado. São pessoas que enxergam Bolsonaro como uma figura positiva, mas que não conhecem bem suas posições e, mais importante, não se abalam quando constatam que suas próprias opiniões em alguns temas não combinam com as do parlamentar.

Diretor da empresa que conduziu o estudo, Maurício Moura resume assim esse fenômeno: “Tal como aconteceu com Donald Trump nos EUA, os eleitores de Bolsonaro levam ele a sério, mas não levam ao pé da letra tudo o que ele diz”, afirma. “É o contrário do que ocorre com alguns analistas e a imprensa tradicional, que não levam Bolsonaro a sério, mas muitas vezes cometem o erro de tomar o que ele diz ao pé da letra”, completa. “Esse é o perigo”. Na última pesquisa Datafolha para presidente, no fim de abril, Bolsonaro surgiu em segundo lugar com 14%, em empate técnico com os 16% de Marina Silva (Rede). A diferença é que ele aparece subindo; ela, caindo. Nas simulações de primeiro turno, o deputado perde fora da margem de erro apenas para o ex-presidente Lula (PT), que alcança 30%.

Como exército de voluntários se organiza nas redes para bombar campanha de Bolsonaro a 2018

Os recortes por idade, renda e escolaridade dão pistas bem definidas do perfil geral do eleitorado de Bolsonaro. Ele vai notadamente melhor entre os mais jovens (tem 20% no grupo dos que têm entre 16 e 24 anos), entre eleitores com ensino superior (22%) e entre os que têm renda familiar acima de dez salários mínimos (27%).

Há diferença relevante também no recorte por sexo. Teria 20% dos votos dos homens, mas não passaria de 9% se só as mulheres votassem. Foi com base nesses dados que bolsonaristas foram recrutados para o estudo. O chamado grupo focal foi feito em 24 de maio, em São Paulo, mesclando eleitores das classes A e B, de 21 a 55 anos, alguns com ensino superior.

Os selecionados receberam uma gratificação em dinheiro pela participação, lanche e refrigerante. Provocados por um profissional, passaram 90 minutos debatendo temas políticos, econômicos e sociais. Pesquisa qualitativa é uma técnica é muito usada por marqueteiros para captar motivações subjetivas de eleitores e orientar rumos publicitários. O estudo não tem valor estatístico. Seus resultados não podem ser projetados para o conjunto da população nem expressam uma síntese exata das opiniões de todos os eleitores de Bolsonaro. Mas dão pistas sobre os sentimentos do eleitorado que tem engrossado as taxas do deputado nas pesquisas quantitativas.

Conforme o relatório do estudo, os depoimentos refletem um eleitor com impressões negativas sobre o país, inseguro, desconfiado de todo o sistema político (inclusive das urnas eletrônicas) e com sentimento de vergonha em relação à extensão da corrupção. Para esse perfil, Bolsonaro tem dois “atributos” muito valiosos. O primeiro é ser visto como um personagem com experiência política, mas totalmente diferente dos políticos tradicionais.

Vídeo de Bolsonaro xingando repórter ressurge nas mídias sociais

Valorizam, em especial, o fato de ele nunca ter aparecido em escândalos de corrupção. O segundo é ser visto como alguém de pulso firme, posicionamento forte. Alguém com coragem e autoridade para colocar ordem na desordem, especialmente quando o assunto é segurança pública. A identificação com um discurso exorbitante de segurança chama a atenção. Slogans como “penas mais longas”, “prisão perpétua”, “castrações químicas” ou “morte aos bandidos” têm aceitação fácil e imediata. Todos a favor de um direito mais punitivo e vingador. “Enxergam Bolsonaro como um justiceiro pronto para resolver os problemas de segurança doa a quem doer, mesmo se for na base da bala”, definiu o mediador do grupo, Renato Dorgan.

Nos 90 minutos de conversa não faltaram exemplos de manifestações assim. Uma das eleitoras com comportamento reservado sobre outros assuntos parecia fazer questão de firmar seu ponto de vista radical toda vez que o tema segurança voltava. “Eu acho que morte [para quem comete crime] é pouco, tem de sofrer”, disse. Depois ela mesmo explicou porque acha que sua proposta não funcionaria: “É que hoje a gente sabe que não tem punição no Brasil, então é melhor matar e pronto.” Igualmente popular é a defesa de trabalho forçado para presidiários. “Se o cara mata o pai de família, ele tem de trabalhar para suprir as necessidades daquela família”, opinou um eleitor. “Eu sou a favor da prisão perpétua com trabalho”, disse outro. Parte dos bolsonaristas ouvidos no estudo já votaram em Lula em eleições anteriores. Teve até quem foi de Dilma Rousseff em 2010 e 2014. Mas hoje todos nutrem forte rejeição ao PT e foram favoráveis ao impeachment da petista. Agora, “toleram” Michel Temer, mas não estão dispostos a defendê- lo. Dão algum crédito para o prefeito paulistano João Doria (PSDB), mas não demonstram entusiasmo com seu padrinho, o governador Geraldo Alckmin: “Ele está aí faz mil anos e não enche o saco, mas como político não vai”, definiu um rapaz.

A principal fonte de informação sobre Bolsonaro é a internet. Eles se baseiam em sites que reproduzem noticiário da mídia tradicional, como “G1” e “Folha.com”, embora tenham desconfiança dos veículos convencionais. Também recorrem a fontes alternativas. Alguém citou “O Antagonista”.

Outro mencionou o site “Folha Política”, conhecido por mesclar notas desfavoráveis ao PT com notícias falsas. Revistas e jornais impressos não são utilizados. Um tema muito comum nas ativas comunidades pró-Bolsonaro na internet é a “ameaça comunista”, algo apresentado como um risco iminente para o Brasil. Pelo menos no grupo selecionado, isso não apareceu. Igualmente ausente foi qualquer manifestação de homofobia, acusação frequentemente feita a Bolsonaro na rede.

Esta é a terceira vez que a Ideia promove pesquisa desse tipo por encomenda do Valor. Em 2016, no início das campanhas municipais, um estudo do tipo mostrou que eleitores paulistanos do então líder Celso Russomanno poderiam migrar para Doria, caso o deputado do PRB saísse da disputa. Em fevereiro, outra pesquisa qualitativa identificou um sentimento de saudade dos anos Lula na Presidência, fenômeno que beneficia o petista nas pesquisas. O levantamento atual também identificou pontos fracos de Bolsonaro.

Conforme as interpretações de Moura e Dorgan, seus eleitores demonstram que não possuem a menor ideia a respeito de quais seriam as posições do deputado em outros assuntos valorizados em campanha, além de segurança. Não há referência a respeito de economia, saúde ou educação, por exemplo. “É um perfil muito frágil em argumentos”, diz Dorgan. Para Moura, é uma intenção de voto “sem consistência”. “Se aparecer uma alternativa nova de centro sem a marca do político tradicional, esse eleitorado se esvai”, opina. “Em tese, pode ser o Doria. Mas isso, por enquanto, não apareceu.”

Em alguns aspectos, os integrantes do grupo manifestaram opiniões parecidas com as que normalmente são associadas a Bolsonaro. Entre elas estão a rejeição à hipótese de aumento de impostos, repugnância aos sindicatos e uma oposição feroz às cotas para negros em universidades. Em outros temas muito associados à direita, porém, mostram-se divididos. É o caso da flexibilização das regras sobre porte de arma, rejeitada por metade do grupo, ou da reforma da Previdência, vista com desconfiança. A falta de conexão com o pensamento econômico liberal ficou evidente quando só um do grupo se opôs firmemente à ideia de intervenção estatal para ajudar empresas em dificuldade. Sinais da fragilidade eleitoral de Bolsonaro junto às mulheres também apareceram no estudo.

Um dos eleitores disse que começou a prestar atenção no deputado quando soube da briga com a deputada Maria do Rosário (PTRS). Duas mulheres do grupo ignoravam a história. Quando alguém lembrou dos detalhes (Bolsonaro disse que não estupraria Rosário porque ela não merece), as duas simpatizantes reagiram com visível reprovação. “Diferentemente do que ocorre com outros temas, Bolsonaro não parece imune quando o alvo das grosserias são as mulheres. Aí ele perde mesmo”, avalia Moura.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta