Ex-primeira dama que teve fotos vazadas, culpa governador

Pâmela Bório disse que as imagens estavam em um celular hackeado entre 2013 e 2014; em publicação em sua conta no Instagram, ela também afirmou que o governador Ricardo Coutinho pode ter ligação com o crime. Entenda

A ex-primeira-dama da Paraíba Pâmela Bório afirmou em publicações em sua conta pessoal no Instagram que teve fotos íntimas vazadas na internet. De acordo com ela, as imagens estavam em um aparelho celular que foi hackeado entre os anos de 2013 e 2014, na época em que ainda era casada com o governador Ricardo Coutinho (PSB).

Em uma das publicações, feita na terça-feira (27), a ex-primeira-dama da Paraíba  explica que recebeu “prints” de fotos pessoais antigas e que espera o rastreamento dos compartilhamentos das imagens. Segundo Pâmela, uma denúncia de crime cibernético com base na “Lei Carolina Dieckmann” vai ser feita à Polícia Federal.

Pâmela era casada com o governador da Paraíba até 2013. O divórcio saiu em 2015 e eles tem um filho

Na postagem, Pâmela colocou imagens de vários trechos de boletins de ocorrência. “Registro da Delegacia da Mulher, onde estão diversas denúncias, entre elas o hackeamento do meu celular entre 2013 e 2014, até a implantação de um dispositivo de gravação acoplado no telefone fixo do meu criado-mudo da suíte principal da residência oficial, onde eu dormia nesse período até março de 2015”, escreveu a primeira-dama.

Pâmela Bório era casada com o governador Ricardo Coutinho (PSB)
Reprodução/ Instagram/ @pamela_borio

Pâmela Bório era casada com o governador Ricardo Coutinho (PSB)

Pâmela informou ainda que os boletins de ocorrência são antigos e que não tinha a intenção de divulgá-los. “Eu já tinha feito o BO, mas nunca o tinha exposto e não tinha a intenção de fazê-lo. Mas me vi obrigada a fazer o alerta diante de alguém que tenta me destruir de diversas formas, me prejudicando em todas as áreas e até os próximos a mim. Mas a minha fé e as pessoas que me amam verdadeiramente, como amigos e familiares, continuam na luta comigo contra uma corja covarde, insana, maquiavélica, cruel e sem limites.”

Crime premeditado

A ex-primeira-dama, em uma nova postagem nesta quarta-feira (28), afirma que os vazamentos das fotos podem ter ligação com o roubo do seu celular, no período em que vivia na residência oficial do governador Ricardo Coutinho . Para Pâmela, o roubo do celular foi para “forjar justificativa de vazamento” das fotos íntimas.

Na mesma postagem, a ex-primeira-dama disse ainda que foi agredida na frente do filho, teve o celular roubado e que o crime teria sido premeditado. “Para quê ele queria o meu iPhone, tirado violentamente das minhas mãos??? Será se os bandidos que roubaram meu aparelho novo em outubro de 2016 não foram enviados para forjar uma justificativa para tal vazamento intencional? Na época, o próprio cunhado do Ricardo Coutinho, Robert Sabino, me revelou que tudo já estava premeditado”, publicou.

“Não se trata de montagem, nem de vazamento despretensioso de fotos íntimas de um casal, mas atribuo a responsabilidade aos meus algozes de sempre”, completou Pâmela.

Imagens estão sendo compartilhadas em sites adultos

A assessoria do governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, foi procurada pela reportagem para comentar as acusações, mas até a publicação desta matéria a reportagem não obteve retorno.

Separação foi traumática, com direito a denúncias de espancamento

Em 29 de setembro do ano passado, Pâmela Bório postou um  vídeo no Youtube onde relembrou ter sido espancada pela irmã do governador Ricardo Coutinho, dentro da Granja Santana. O episódio completou um ano no último dia 7 de setembro. “Eu fui agredida da forma mais cruel e covarde que eu poderia imaginar”, postou Pâmela. O episódio foi registrado pelo programa Intrometidos (em webTV e YouTube) e registrado na mídia.

Conforme o relato de Pâmela, o governador teria, inclusive, acompanhado todas as agressões físicas patrocinadas contra ela, por sua irmã, através de uma câmera de vigilância, das várias instaladas na Granja Santana. A denúncia foi rebatida pelo advogado Antônio Fábio Rocha, do governador Ricardo Coutinho, ao longo do programa Intrometidos.

Vídeo

Em seu vídeo, Pâmela detalhe que o episódio foi uma cilada contra ela: “Eu fui levada por policiais da Casa Civil, conduzida à residência oficial do Governo.”  E arremata: “Diante do amordaçamento da Imprensa e do silêncio e organizações que deveriam defender indiscriminadamente as mulheres vítimas de violências, muitas pessoas expressaram seu repúdio…”

Justiça mandou apagar posts no Facebook

Desde agosto de 2016 que a jornalista Pâmela Bório está obrigada pela Justiça a apagar todas as publicações no Facebook e no Instagram que mencionem o nome do ex-marido e atual governador do Estado, Ricardo Coutinho (PSB). Pâmela informou recorreu da decisão, mas atendeu a determinação judicial e deletou as publicações, além de sair das redes sociais.

A ordem cumpriu decisão do juiz da 7ª Vara Civil de João Pessoa José Celio de Lacerda Sá, que acatou o pedido de Coutinho em ação ingressada na Justiça. O magistrado deu prazo de 24 horas para a ré atender a decisão e, caso haja descumprimento, imputou a multa de R$ 1.000 por dia com teto de R$ 50 mil.

Na decisão, o juiz destacou que o governador da Paraíba comprovou, no pedido em caráter de liminar (provisório), que “há o iminente perigo de dano, em virtude de especulações maculadas à sua pessoa, e em razão da velocidade da circulação de informações nos meios cibernéticos que podem gerar graves e irreparáveis danos”. Pâmela e Coutinho se separaram em 2013, porém o divórcio do casal saiu apenas em 2015. O casal tem um filho de seis anos.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta