Ex-secretários do RJ recebiam até 13º de propinas, diz delator

Apontado como ex-operador da suposta organização criminosa chefiada pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), o delator Carlos Miranda disse nesta segunda-feira (11/12), que os líderes do esquema recebiam propinas mensais e até gratificações de fim de ano, como um 13.º salário.

A revelação de que a organização pagava gratificação de fim de ano a seus integrantes surge quando os funcionários do Rio contabilizam um ano sem receber o benefício ainda de 2016.

De acordo com Miranda – que, segundo o Ministério Público Federal (MPF), era o “homem da mala” de Cabral -, os ex-secretários Wilson Carlos e Regis Fichtner recebiam o valor fixo de R$ 150 mil mensais. O delator estimou em cerca de R$ 500 milhões a quantia arrecadada pela organização desde os anos 1990.

Miranda contou que recebia também R$ 150 mil por mês. Já os valores destinados a Cabral eram estipulados pelo próprio ex-governador, “dono” do esquema criminoso de arrecadação, nas palavras do delator.

O delator foi interrogado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, no processo que investiga dinheiro ilícito repassado pela Carioca Engenharia – R$ 30 milhões para o esquema de Cabral, segundo ele. Miranda disse que a empresa repassou à FSB Comunicação propina para a prestação de serviços de campanha O valor, disse ele, foi de cerca de R$ 300 mil.

Em nota, a FSB afirmou que nunca teve contato com Miranda. “Ficamos absolutamente surpresos com suas declarações pela total falta de fundamento”, informou a empresa. A Carioca afirmou que não vai se manifestar. A defesa de Fichtner, em nota, classificou de mentirosa a acusação. A defesa de Wilson Carlos não foi localizada.

Fonte: metropoles

Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Deixe uma resposta