Exército russo diz que matou líder do Estado Islâmico; Putin e EUA não confirmam

O Exército russo afirmou nesta sexta-feira, 16, que matou o principal líder do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) em um ataque aéreo. Abu Bakr al-Baghdadi teria sido morto no final de maio, junto a outros líderes da milícia radical, segundo o comunicado do Ministério da Defesa da Rússia.

Já o ministro do Exterior da Rússia, Sergey Lavrov, disse que a informação está “sendo verificada através de vários canais” e até o momento não pode confirmar definitivamente a morte. Ele acrescentou que, se confirmada, a notícia não deve ser comemorada em excesso. “Exemplos anteriores de ações similares de ataque a líderes de grupos terroristas foram noticiadas com muito entusiasmo e pompa, mas a experiência mostra que essas estruturas conseguem retomar sua capacidade”, disse Lavrov, questionado sobre o anúncio do Exército em Moscou.

Um porta-voz do governo do país, Dmitry Peskov, se recusou a comentar o anúncio dos militares e disse ter encaminhado questionamentos ao Ministério da Defesa. Ele também disse que o presidente do país, Vladimir Putin, recebe rotineiramente relatórios do ministério.

O porta-voz da coalizão liderada pelos Estados Unidos para lutar contra o EI, coronel Ryan Dillon, divulgou comunicado no qual também afirma que não pode confirmar a informação sobre a morte de Al-Baghdadi.

A Rússia diz que a ofensiva aérea do último dia 28 de maio atacou uma reunião do EI que acontecia no sul de Raqqa, a cidade do norte da Síria que o grupo declarou como sua ‘capital’. A operação teria matado 30 comandantes de nível intermediário e 300 combatentes do EI.

O ataque teria ocorrido quando os extremistas discutiam a retirada de Raqqa, que está cercada por uma ofensiva da coalizão e do governo sírio.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Participe do debate. Deixe seu comentário