fbpx
Expedito evita Confúcio em último debate do primeiro turno

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Cercado de expectativas, o último debate televisionado no primeiro turno entre os candidatos ao Governo do estado de Rondônia não trouxe muitas novidades aos eleitores rondonienses, com momentos que beiraram a redundância e pasmaceira os candidatos se mostraram bastantes receosos em partirem para o confronto direto de ideias.

Dessa vez, o debate foi promovido pela Rede Amazônica de Televisão e transmitido através da TV Rondônia, filial da Rede Globo em Porto Velho.

Dividido em quatro blocos, o debate foi mediado pelo jornalista paranaense Wilson Kircher, e contou com a presença dos candidatos, Confúcio Moura (PMDB), Expedito Júnior (PSDB), Jaqueline Cassol (PP), Padre Ton (PT) e Pimenta de Rondônia (PSOL).

Já na primeira pergunta veio a principal revelação de todo o debate, enquanto falava com o candidato Pimenta de Rondônia sobre as politicas de apoio às mulheres, a candidata Jaqueline Cassol relatou que foi vitima de abuso aos cinco anos de idade em uma das empresas de seu pai, Reditário Cassol.

“Só quem sofreu abuso que sabe o que é isso, eu fui vitima de abuso por um funcionário da empresa do meu pai aos cinco anos”, confessou Jaqueline, que deixou todos os presentes no local surpresos com a revelação.

Os principais confrontos de ideias se polarizaram entre os candidatos Expedito Júnior e Confúcio Moura, e os candidatos Jaqueline Cassol e Padre Ton.

Acuado no ringue eleitoral pelas recentes pesquisas de intenção de voto ao governo de Rondônia, o candidato à reeleição, Confúcio Moura, direcionou a maioria de suas perguntas para Expedito Júnior.

Entre os temas que permearam os embates entre Expedito e Confúcio, estava o saneamento básico da capital e grandes municípios, obra cujo dinheiro já está disponibilizado desde há mais de dois anos, porém ainda não licitada pelo Governo de Rondônia.

Expedito Júnior atacou a atual gestão afirmando que o projeto só não foi licitado por incompetência administrativa, e ele, como governador eleito, daria inicio a esse processo desde o primeiro dia de seu mandato.

Confúcio retrucou, e afirmou que teve de refazer o projeto de saneamento da capital devidos problemas detectados pelo Tribunal de Contas, que de acordo com o governador foram ocasionados pelo péssimo serviço prestado por uma construtora da Bahia que inicial detinha a obra.

Visivelmente irritado com a acusação de incompetência proferida pelo candidato tucano, o governador disse que o projeto já está na Caixa Econômica, e quem iria licitar era ele a partir do próximo ano.

O trato com o funcionalismo público foi o tema que mais causou divergências entre Padre Ton e Jaqueline Cassol.

O padre petista questionou se Jaqueline iria tratar os funcionários públicos da mesma forma que a administração de Ivo Cassol, fazendo uma referencia às várias greves e confrontos com o governo durante esse período.

A candidata progressista não se fez de rogada e partiu para o ataque, afirmou que não era Ivo Cassol e que foi o padre, que no período em que era deputado federal, não fez nada para ajudar os servidores rondonienses com a transposição.

Ton, que é da bancada governista em Brasília, desconversou sobre o assunto transposição e não respondeu diretamente sobre o tema.

Porém, o ponto baixo do debate foi o “bate bola” protagonizado por Expedito e Padre Ton, em uma sequencia de perguntas, respostas, réplicas e tréplicas entediantes e sem nada de novo, porém limando os espaços dos candidatos Confúcio Moura e Jaqueline Cassol, que chegou a reclamar pelo fato dos candidatos não estarem realizando perguntas para ela.

Desempenho

O candidato Pimenta de Rondônia mostrou a evolução de seu discurso, se a intenção do candidato era se apresentar ao eleitorado rondoniense, a missão foi cumprida, pois sua personalidade não será esquecida dos históricos de campanha no estado.

Ponto em comum de ataque de todos os candidatos, Confúcio Moura mostrou um lado mais “rebelde” em sua postura, não deixou de rebater nenhuma pergunta direcionada a ele, porém, a enxurrada de criticas a sua gestão, parece estar o rotineiro bom humor e sorriso fácil do governador peemedebista.

Jaqueline Cassol se recuperou em relação ao último debate, mais confiante e precisa nos temas em que abordava Jaqueline só não consegue se livrar dos textos prontos que muitas vezes davam a candidata um tom de apresentadora de telejornal enquanto formulava suas perguntas.

Expedito Júnior está mais tranquilo, o candidato parece ter trabalhado sua ansiedade e apresentou ao eleitorado uma imagem mais calma, porém o candidato preferiu a zona de conforto evitando sempre que possível o embate com o governador Confúcio Moura.

Sem estrela e gravata vermelha, Padre Ton mais uma vez se saiu bem no debate, porém a tranquilidade de Ton vem pelo fato de não ser foco de nenhuma pergunta referente à administração de seu partido em Porto Velho.

Pérolas

“Vou trazer dinheiro do Pré-Sal para as mulheres”, Pimenta de Rondônia, sobre como melhorar as politicas públicas para mulheres em Rondônia.

“Expedito é um falastrão costumeiro”, Confúcio Moura respondendo às criticas de Expedito Júnior ao seu governo.

“Confúcio não é mais o mesmo que foi bater na porta da minha casa para pedir apoio”, Expedito Júnior respondendo à Confúcio Moura.

“Vou trazer o dinheiro para o Telecine Amazônia”, Padre Ton, confundindo o nome do tradicional festival Fest Cine Amazônia realizado em Porto Velho.

“Gostaria de ser mais questionada”, Jaqueline Cassol sobre o fato de estar sendo evitada durante o debate.

“Sou da área da saúde e a senhora é simplesmente advogada”, Confúcio Moura rebatendo Jaqueline Cassol, a candidata ainda pediu direito de resposta, que foi negado.

“Temos uma coisa em comum, você é médico e eu sou paciente”, Pimenta de Rondônia explicando à Confúcio Moura porque poderia debater com ele de igual para igual sobre a saúde pública em Rondônia.

Fonte: Rondoniaovivo – João Paulo Prudêncio – Fotos Paulo Andreoli

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta