Eymael e Levy Fidelix serão novamente candidatos à presidência

Uma frase atribuída a Charles Chaplin, e que vem sendo compartilhada ao longo dos anos pelo Facebook afora, diz que “a persistência é o caminho do êxito”. Se Chaplin tiver alguma razão, dois pré-candidatos à Presidência da República podem se encher de esperanças: José Maria Eymael (PSDC), com 78 anos e quatro eleições para presidente e Levy Fidelix (PRTB), com 65 anos e duas eleições para presidente no currículo.

Na eleição de 2014, Eymael recebeu 61.233 votos (0,06% dos válidos); já Fidelix teve 446.708 votos (0,43% do eleitorado brasileiro). Naquela eleição, o democrata-cristão tinha 45 segundos para passar o seu recado no horário eleitoral gratuito. O “homem do aerotrem” tinha 2 segundos a mais, 47.

Se a cláusula de barreira, aprovada neste ano pelo Congresso, já estivesse em vigor nas eleições passadas PSDC e PRTB estariam fora da jogada (a cláusula começa a ser implementada, gradualmente, em 2018, quando os partidos precisarão obter pelo menos 1,5% dos votos válidos em nove estados – essa porcentagem vai chegar a 3% em 2030).

Ao levarmos em conta a performance dos pleitos anteriores, o tempo de TV e a estrutura dos respectivos partidos, cabe um legítimo questionamento: Por quê? Por que em 2018 será diferente?

“As condições do país mostram que as pessoas estão procurando uma terceira via. Eu posso ser essa terceira via”, disse um confiante Eymael, que aposta na imagem de uma homem de família e no seu trabalho como deputado constituinte para alavancar sua campanha.

Fidelix segue a mesma linha, acreditando que em 2018 todos os sonhos podem se tornar realidade. “Eu serei o efeito surpresa. O povo está cansado da esquerda e da direita. Eu serei um candidato de centro-direita, o candidato que as pessoas estão procurando”, afirmou um encorajado Fidelix.

Eymael se prepara para rodar o Brasil defendendo a ideia de um “Estado necessário”. Nas palavras dele, “nem máximo nem mínimo, mas um Estado eficiente”.  “Nosso mote será a construção de um novo e melhor país. Um país dos homens de bem”, fala.

Fidelix não pretende ficar atrás – e já tem cumprido agenda de candidato em alguns estados. Ele tem falado sobre política de juros, recuperação de empregos e até da criação de um Ministério da Defesa Civil para combater tragédias naturais. Mas, claro, o que o povo quer saber é: e o aerotrem.

Acreditem, a marca registrada de Fidelix não será o carro chefe da campanha dele. “Não caio mais nessa armadilha. Não quero mais virar piada. Posso até falar de aerotrem, mas o povo quer saber de comida na mesa. Estou saindo fora disso e desses temas como casamento gay….”

Ainda assim, o candidato não quer abrir mão do humor e adiantou que sua equipe de marketing tem trabalhado com a possibilidade de um slogan do tipo: “O Brasil tem solução, Levy Fidelix bigodão”.

Por outro lado, Eymael não quer abrir mão do seu maior ativo eleitoral, o jingle (Sim, aquela música que está na sua cabeça desde que você começou a ler essa matéria: Ey, Ey, Eymael, um democrata cristão…). “O jingle é uma força que não pode ser desconsiderada. Nós já mostramos o nosso conteúdo ao longo dos anos. No nosso horário eleitoral, vamos usar muito o jingle. Ele me fez conhecido, sou um dos poucos políticos conhecido no Brasil inteiro”.

Eymael sonha em um segundo turno contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – com quem acredita ter capacidade de se contrapor no campo das ideias de forma bastante clara. Eymael não crê que o candidato Jair Bolsonaro chegue ao segundo turno.

Por sua vez, Fidelix quer assumir o papel de Bolsonaro no imaginário do eleitorado. “Eu tenho ideias que podem ser semelhantes, mais equilibradas, mas diferente de Bolsonaro eu posso falar de economia com segurança e ir bem nos debates. Eu te digo: água mole em pedra dura tanto bate até que fura. Dessa vez, eu posso ganhar”, filosofou. Fidelix não quis dizer se prefere enfrentar Lula no segundo turno, mas criticou possíveis oponentes. “Uma candidatura Huck seria um escárnio; e o Dorito (o prefeito de São Paulo, João Dória) queimou a largada”, disse.

E o Zé Maria? Sim, o Zé Maria do PSTU já foi quatro vezes candidato à Presidência (1998, 2002, 2010 e 2014). Mas, procurado pela reportagem, ele disse que desta vez não vai participar do pleito. “Conversamos no partido e chegamos a conclusão que eu teria outras tarefas. Provavelmente, teremos uma companheira como candidata. O nome dela deve ser anunciado em breve”, disse.

Fonte: metropoles

 

News Reporter

Deixe uma resposta