fbpx
Facebook e Twitter substituem cartazes em eleições na Itália

Os cartazes são poucos e os únicos grandes comícios foram realizados na última semana de campanha para a votação de 4 de março

Roma – A campanha eleitoral italiana está diferente da dos anos anteriores, quando as ruas estavam cheia de cartazes políticos e os líderes reuniam eleitores em todo o país.

Os cartazes são poucos e os únicos grandes comícios foram realizados na última semana de campanha para a votação de 4 de março. Mas no mundo virtual o Facebook e outras mídias sociais estão cheias de conteúdos políticos.

Os partidos estão aproveitando as redes sociais para falar com os eleitores, especialmente os jovens, em parte porque estão presos a um orçamento. Pela primeira vez, não haverá reembolso público para os partidos por suas despesas de campanha e as mídias sociais oferecem formas acessíveis de chegar aos eleitores em um fórum grandioso e não regulamentado.

“O balanço dos partidos varia de desastroso a terrível”, disse Vincenzo Smaldore, editor chefe de conteúdo da Openpolis, grupo online cuja missão é proporcionar transparência na política e assuntos públicos.

Em termos de regulamentação, “as mídias sociais são territórios virgens para campanhas políticas”, disse ele.

“Nesta campanha, houve uma mudança quase total para as redes sociais”, disse Pietro Raffa, que administra conteúdo online para políticos e festas como sócio da consultoria de comunicação MR & Associati em Milão.

A internet superou o rádio como fonte de informação, disse o órgão de vigilância da mídia da Itália, Agcom, em relatório no mês passado.

Enquanto a TV continua a ser a principal fonte de informação e os candidatos fazem aparições diárias em programas de entrevistas, quase 42 por cento dos italianos consultam a internet todos os dias, com as redes sociais e os motores de busca seu principal foco.

“Há um efeito de câmara de eco, que é problemático quando o objetivo é garantir que os cidadãos tenham o pluralismo da mídia”, disse Antonio Nicita, comissário da Agcom.

A liga de extrema direita, que tem uma das mais fortes presenças de mídia social entre os partidos, publica tuítes ou posts diariamente com reportagens abordando crimes cometidos por estrangeiros.

A Anistia Internacional está monitorando o Facebook e Twitter para identificar declarações ofensivas por líderes e candidatos dos partidos italianos. Nos 10 dias até 20 de fevereiro, metade de todas as declarações que se encaixaram nesta categoria vieram do partido Liga Norte, e o restante veio principalmente dos outros partidos de centro-direita, disse.

O monitoramento revelou um discurso “hostil, racista e xenofóbico”, disse a Anistia em relatório.

O líder da Liga Norte Matteo Salvini negou a acusação e disse que iria se reunir com a Anistia para discutir isso.

Fonte: exame

Painel Político, é um blog de notícias de Rondônia, com informações sobre política regional, nacional, economia, jurídico e variedades. Siga-nos nas redes sociais, visite-nos diariamente e fique sempre bem informado.

Deixe uma resposta