fbpx
‘Fake’ usa fotos de jovem para divulgar falsas prostitutas em grupos de Whatsapp

Recepcionista de São Vicente (SP) acionou a Polícia Civil depois de descobrir que alguém se passava por ela, em uma rede social, para divulgar imagens

A recepcionista Thaís Cristina Almeida da Silva, de 32 anos, teme pela própria vida depois que teve uma foto dela atribuída a um perfil em uma rede social que compartilha imagens de falsas garotas de programas e de pornografia infantil em grupos variados. Após as postagens, várias pessoas passaram a ameaçá-la, inclusive de morte, na internet. A Polícia Civil em São Vicente, no litoral de São Paulo, investiga o caso.

Thaís descobriu, no início de 2018, que alguém se passava por ela em um aplicativo de mensagens para celular. “Quando fui ver, meu rosto estava associado a um número de telefone que não é o meu. Essa pessoa abria vários grupos no WhatsApp, dizia ser prostituta e, inicialmente, também compartilhava fotos de mulheres”.

Vítima postou desabafo na internet após ter imagem usada em perfil fake (Foto: Reprodução)

Ela lembra que tentou contato com a pessoa para saber quem era e, por mensagem, pediu para que a suspeita parasse com a divulgação. “Achei um absurdo. Mas eu realmente achei que não iria dar continuidade, pois eu havia descoberto a farsa. O problema foi quando a pessoa passou a compartilhar imagens de pornografia infantil”, relata.

Recepcionista teve foto associada a perfil fake que compartilha imagens de terceiros (Foto: Reprodução)

A recepcionista, então, registrou um boletim de ocorrência na Delegacia Sede de São Vicente. No distrito, ela explicou que, além de alguém se apresentar com a foto dela, também já havia sido vítima de uma série de ameaças de outras pessoas que tiveram a vida exposta nesses grupos.

“Esse número compartilha fotos de garotas como se fossem prostituas, só que elas não são. Tem até foto de adolescente. Eu, apesar de não ter culpa, tenho recebido ameaças públicas na internet. Já chorei bastante e estou com medo até de sair na rua. Falaram que vão me dar madeirada, me bater e me matar”, desabafou.

Pessoa se passa pela recepcionista em grupos de pornografia na internet (Foto: Reprodução)

O comando da Polícia Civil informou que está investigado o caso, mas não detalhou a ocorrência. “Eu não tenho dinheiro para pagar advogado, então, vou procurar a Defensoria Pública para agilizar isso. Mas eu quero deixar bem claro que quem está compartilhando essas imagens não sou eu. Temo pela minha vida”, desabafa Thaís.

A reportagem tentou contato com a pessoa que se passa por Thaís nas redes sociais, mas ela não atendeu os telefonemas, nem respondeu às mensagens.

G1/SP

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta