Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Família de vítima de atirador de GO fala sobre tragédia pela primeira vez

Lia Nunes Fleury leu uma carta na porta do hospital: “Sou mãe da Lara, jovem que nasceu há 14 anos e renasceu há 5 dias”

0

A mãe da adolescente Lara Fleury Borges, 14 anos, uma das vítimas do atirador do Colégio Goyases, em Goiânia, falou pela primeira vez sobre o ocorrido. Desde a tragédia, na última sexta-feira (20/10), que matou dois garotos e deixou outras quatro pessoas feridas, os pais da jovem haviam proibido a divulgação sobre o estado de saúde dela, assim como evitavam falar com a imprensa.

No entanto, nesta terça-feira (24), Lia Nunes Fleury leu uma carta na porta do hospital particular onde a filha segue internada. “Sou mãe da Lara, jovem que nasceu há 14 anos e renasceu há 5 dias. Quero agradecer a Deus por ter a possibilidade de estar com minha filha novamente”, disse. A mulher, que é professora, também falou sobre o colega de classe das crianças que efetuou os disparos.

Eu quero pedir a proteção de Deus ao adolescente que dilacerou tantas famílias. Que lhe conceda o arrependimento verdadeiro para que ele seja capaz de dimensionar o estrago que sua insensatez causou na vida da família Goyases”  (Lia Nunes Fleury, mãe da vítima).
Logo após a mãe ler a carta na entrada do hospital, Lara foi à sacada do quarto onde está internada e acenou. Há expectativa de que a menina, que levou um tiro na mão, possa ter alta nos próximos dias.
Nesta terça (24), a partir das 18h, haverá um culto ecumênico em frente à escola. A cerimônia será aberta e funcionários, pais e alunos devem comparecer. A unidade de ensino pede que os presentes usem roupas brancas.
O estado de saúde das duas meninas que estão internadas no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) segue inalterado. Pela manhã, a família da estudante Marcela Rocha Macedo, que faz aniversário hoje, fez uma comemoração simbólica na porta da unidade de saúde.
Como o jornal Metrópoles mostrou, os parentes organizavam, antes da tragédia, uma festa para comemorar os 14 anos da garota. A celebração também marcaria a despedida de Marcela do Brasil, já que ela quer se mudar para os Estados Unidos, onde a mãe vive, assim que entrar de férias da escola.

 

A tragédia
A perícia da Polícia Civil de Goiás revelou, após seis horas de apuração, que o estudante usou uma pistola .40, de propriedade da mãe, que é da Polícia Militar. Segundo os agentes, o jovem estava na classe desde o início da manhã de sexta (20) e atirou contra os colegas por volta das 11h50, ao término de uma aula.

O adolescente foi apreendido 20 minutos depois e encaminhado para a Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depae). De acordo com a PM, colegas de turma apontam que ele sofria bullying pelo mau cheiro. Um deles teria levado um desodorante para o colégio, no dia da tragédia, com o objetivo de provocar o agressor.

Fonte: metropoles

Comentários
Carregando