Famílias de Porto Velho estão menos endividadas em outubro

O percentual de famílias endividadas de Porto Velho caiu de 60,6%, em setembro, para 57,1%, em outubro, ou seja, -5,8% atingindo o menor patamar nos últimos doze meses. O endividamento também é -8,9% menor que o de outubro do ano passado o que reacendeu, entre os analistas econômicos, a esperança de que as vendas de final de ano possam superar o crescimento previsto entre 6 a 7% maior que no ano passado. Somente o percentual de contas em atraso apresentou um ligeiro crescimento de 2,9%, o que é atribuído mais aos problemas decorrentes da greve dos bancários que à situação financeira, de vez que, segundo dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) de Porto Velho, as famílias que não terão condições de pagar suas contas tiveram a notável queda de -20,8%, ou seja, cerca de um quinto, saindo dos 5,3% de setembro para os 4,2% de outubro.

Estes indicadores, na opinião do presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia-Fecomércio/RO, Raniery Araujo Coelho, podem indicar que se terá um fim de ano com um crescimento bem melhor das vendas, de vez que “Embora ainda paire algumas nuvens sobre a questão do crédito, com os aumentos da taxa Selic, a situação das famílias continua bem superior ao patamar observado no mesmo período do ano passado”, afirmou. O cartão de crédito continuou a ser apontado como o principal tipos de dívida sendo citado assim por 49,3% ( um pouco abaixo dos 49,7 % do mesmo mês do ano passado), seguido por carnês (39,5%), financiamento de veículos (13,3%), crédito consignado (13,2%) e pelo crédito pessoal (11,9%).

 Síntese dos resultados Agosto/Setembro/Outubro 2013 (Em %)

Agosto

Setembro

Outubro

Variação %

Set/Out  

Total de Endividados

    60,5

60,6

57,1

-5, 8

Dívidas ou Contas em Atrasos

    14,6

14,1

14,4

2,9

Não Terão Condições de Pagar

     3,4

5,3

4,2

-20,8

Expectativa é de uma intenção de consumo maior em novembro

Em outubro as famílias apresentaram novamente uma queda na intenção de consumo de -2,9% o que, segundo as indicações, é um reflexo da greve dos bancários que afetou a normalidade das atividades econômicas. Porém, dos sete itens pesquisados para compor o indicador os que apresentaram desempenho positivo foram o Índice de Consumo Atual (3,2%) e a Perspectiva Profissional (1,1%). As medidas governamentais retirando as desonerações da linha branca tiveram reflexos imediatos sobre a procura de bens duráveis, de forma que o Momento para Duráveis apresentou uma queda de -12,5%, bem como o Acesso ao Crédito teve uma retração de -1,1% em face do aumento de seus custos. O Departamento Econômico da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia, com base nas suas análises e expectativas dos empresários do comércio, prevê que a tendência da intenção de consumo de Porto Velho é a de novamente se elevar em novembro para voltar à sua normalidade que é a de ficar um pouco acima da média nacional que foi, em outubro, de 126,3 pontos.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário