fbpx
Fernandinho Beira-Mar vai continuar preso em Rondônia

Prazo de permanência em presídio federal é renovado anualmente.
Pena total do traficante, por diversos crimes, é de 309 anos e 2 meses

O juiz Eduardo Perez Oberg, da Vara de Execuções Penais (VEP) do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, deferiu o pedido da Secretaria de Estado de Segurança para que o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernadinho Beira-Mar, cumpra pena por mais um ano [su_frame align=”right”] [/su_frame]no presídio federal de Porto Velho, em Rondônia.

O traficante possui condenações em processos no Rio e também em outros estados, como no Paraná, no Mato Grosso, e em Minas Gerais. A pena total chegaria a 309 anos e 2 meses.

A permanência de Fernadinho Beira-Mar em um presídio federal fora do Rio de Janeiro deve ser renovada a cada ano. Segundo o juiz, o prazo terminaria no fim de julho, e, em consequência disso, a Secretaria de Segurança fez o pedido para manter a prisão do traficante em Rondônia. O prazo agora vence em junho de 2016.

Condenação recente
Em maio deste ano, ele recebeu mais uma condenação, quando foi trazido de Rondônia, sob forte escolta policial, para julgamento no TJRJ. Na ocasião, o Conselho de Sentença do Primeiro Tribunal do Júri da Capital condenou Fernandinho Beira-Mar a 120 anos de reclusão pelo crime de homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e sem chance de defesa) contra quatro detentos: Ernaldo Pinto Medeiros, o “Uê”, Carlos Alberto da Costa, o “Robertinho do Adeus”, Wanderlei Soares, o “Orelha”, e Elpídio Rodrigues Sabino, o “Pidi”, mortos durante uma rebelião no presídio Bangu I, em 11 de novembro de 2002.
As informações são do G1/RJ
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta