Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Filho de Cabral tem panfletos com Dilma e Aécio no Rio

0

O Candidato a deputado federal, Marco Antônio Cabral (PMDB), filho do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), tem material de campanha com os dois principais adversários na disputa pelo Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff (PT) e o senador Aécio Neves (PSDB).

Depois do lançamento da candidatura própria do PT ao governo do Estado, o PMDB-RJ se dividiu entre aliados da presidente e o grupo que lançou o movimento “Aezão”, que prega o voto em Pezão e Aécio. Em meados do ano passado, quando começou a ganhar força a candidatura do petista Lindbergh Farias ao Palácio Guanabara, Cabral, em reunião com a direção nacional do PMDB, ameaçou apoiar Aécio e citou o parentesco de três de seus filhos com o tucano. Aécio é primo da primeira mulher de Cabral, Susana.

cabralaecio-703x1024

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Meus filhos se chamam Neves Cabral”, lembrou o ex-governador. Depois disso, Cabral, Pezão e o prefeito Eduardo Paes prometeram apoio a Dilma, mas o movimento “Aezão” ganhou força. Na disputa por uma vaga na Câmara, Marco Antônio Cabral faz dobradinha com vários candidatos à Assembleia Legislativa.
A reportagem recebeu nesta quarta-feira, 16, dois panfletos. Em um deles, Marco Antônio divide a propaganda com a deputada Cidinha Campos (PDT), o candidato ao Senado Carlos Lupi (PDT), Pezão e Dilma. Em outro, está com Marcelo Queiroz (PP), Pezão, e Aécio Neves. O espaço para o Senado está em branco, mas a assessoria de Queiroz informou que o candidato oficial da coligação, Cesar Maia (DEM), será incluído em uma nova remessa.Antigo adversário do governador, Maia fechou apoio a Pezão na última hora. A entrada do DEM provocou a reação do PDT, que deixou a aliança para lançar a candidatura do ex-ministro Carlos Lupi ao Senado. Cabral desistiu da candidatura ao Senado em favor de Cesar Maia.

Dobradinha do candidato a Deputado Federal, Marco Antônio Cabral.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Estadão

Comentários
Carregando