Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Foto em que PM aparece ameaçando jovem com machado está sendo investigada

0

Investigação quer saber se o policial, que usa uma máscara de palhaço, estava fazendo uma abordagem oficial ou se o fato seria uma brincadeira armada entre PMs

A Corregedoria da Polícia Militar paulista abriu investigação para apurar em quais circunstâncias foram tiradas fotografias em que um policial militar aponta um machado contra a cabeça de um jovem. A imagem está circulando nas redes sociais.

A investigação quer saber se o policial, que usa uma máscara de palhaço, estava fazendo uma abordagem oficial ou se o fato seria uma brincadeira armada entre PMs.

Na legenda, o responsável pelas fotos escreveu: “Tem tatuagem de palhaço, mas quando vê um na frente fica com medo”. Segundo a polícia, é comum criminosos tatuarem palhaços no corpo, que significa – no mundo do crime – que são matadores de policiais.

Em nota, a assessoria de comunicação da Polícia Militar informou que “a instituição tomou conhecimento das imagens no dia 11 de julho e, imediatamente, a Corregedoria PM abriu investigação, pois sugerem grave violação de direitos humanos. Caso sejam confirmadas as irregularidades, os envolvidos poderão ser processados criminalmente e expulsos da Polícia Militar”.

O caso

Suposto Policial Militar ameaça com machado
Suposto Policial Militar ameaça com machado

Em grupos restritos à integrantes das polícias de São Paulo, duas fotos viralizaram nesta semana. As imagens mostram um suposto policial fardado com uma máscara de palhaço, apontando um machado para o pescoço de um jovem não identificado. Ao fundo, é possível ver uma viatura de polícia com a porta aberta.

Segundo o portal Ponte Jornalismo, a legenda que vem circulando com as imagens é “Tem tatuagem de palhaço, mas quando vê um na frente fica com medo”, segundo informações da ONG Ponte Jornalismo. Os criminosos que têm tatuagens de palhaço são conhecidos entre outros bandidos como assassinados de policiais.

Com informações do Estadão Conteúdo.

Comentários
Carregando