Garimpo no Madeira continua operando impunemente

Enquanto o Ibama precisou de helicópteros, barcos e veículos para descobrir um garimpo ilegal na reserva do Jamary, basta uma ida à beira do rio Madeira em Porto Velho para ver pelo menos uma dezena de dragas de garimpo operando livremente, sem ser incomodado pela Polícia Federal, Ibama, sequer a Marinha, que tem uma capitania em Porto Velho.

A coisa anda tão descarada, que diariamente PAINEL POLÍTICO® recebe fotos de leitores indignados com a impunidade que cerca à atividade. Outros, mais “flexíveis” apoiam os garimpeiros, “melhor do que estarem roubando”, dizem os defensores.

O problema é que a extração de ouro do rio causa poluição por mercúrio, que é usado indiscriminadamente.

A contaminação por mercúrio pode acontecer por ingestão. A utilização de peixes e crustáceos contaminados é uma das fontes de contaminação pelo metal. Os compostos solúveis do mercúrio são absorvidos pelas mucosas, os vapores por via da inalação e os insolúveis pela pele e pelas glândulas sebáceas. Uma vez no sangue, ele se fixa às proteínas (albumina) e aos glóbulos vermelhos, sendo daí distribuído para vários sistemas orgânicos. O mercúrio pode transpor a barreira placentária e atingir fetos em desenvolvimento em mulheres gestantes, causando grandes danos a eles.

Garimpo no Madeira opera dia e noite, toda a população vê, só as autoridades que não...deve ser porque hoje (24) é feriado...
Garimpo no Madeira opera dia e noite, toda a população vê, só as autoridades que não…deve ser porque hoje (24) é feriado…

O mercúrio concentra-se nos rins, fígado, sangue, medula óssea, intestinos, aparelho respiratório, mucosa bucal, glândulas salivares, cérebro, ossos e pulmões. A intoxicação aguda, se inalatória, pode provocar alguns dos seguintes sintomas: bronquite, edema pulmonar, salivação excessiva, gosto metálico na boca, lesões renais, tremores, convulsões, sede, dor abdominal, vômito, diarreia, alucinações, irritabilidade, perda de memória, confusão mental, anormalidades nos reflexos, coma e morte.

Na pele pode surgir irritação cutânea, edema e pústula ulcerosa. Na exposição prolongada (crônica) pode ocorrer inflamação da gengiva, amolecimento dos dentes, inchação das glândulas salivares, excesso de saliva, tremores, vertigem, rubor, irritabilidade, perda de memória, alucinações, perda do controle muscular, insônia, depressão, pesadelos e lesões na pele. O mercúrio pode atravessar também a barreira hematoencefálica e ter efeitos desastrosos sobre o sistema nervoso, que vão desde lesões leves até à vida vegetativa e à morte.

Mas está tudo bem, afinal, eles só estão roubando a saúde de milhares de portovelhenses que comem os peixes do Madeira…

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta