Globo é autuada após onze denúncias de racismo contra série de Falabella

A série “Sexo e As Negas”, de Miguel Falabella, só deve estrear na terça-feira (16), mas já acumula onze denúncias de racismo na ouvidoria da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir).

Estereótipos racistas

Instituída pelo Estatuto da Igualdade Racial, a ouvidoria recebe, registra, encaminha e acompanha denúncias de discriminação e racismo, entre outras competências. Assim, ao receber as denúncias o órgão autuou a Rede Globo de Comunicação, em Procedimento Administrativo,  nessa quarta-feira (10), solicitando informações e dando ciência do encaminhamento das acusações ao Ministério Público no Rio de Janeiro para que o órgão adote os procedimentos cabíveis (a exemplo de instauração de procedimento investigativo) caso entenda a ocorrência de alguma irregularidade ou crime.

Em nota, o titular do órgão, Carlos Alberto de Souza e Silva Júnior, informou que “vê com estranheza e preocupação qualquer tipo de manifestação que reproduza estereótipos racistas, machistas, que se alicerce na sexualidade das mulheres negras, ou venha a reforçar ideias de inferioridade dessas mulheres, seja nas artes, no cinema ou nas telenovelas e seriados”.

Para ele, os veículos de comunicação tem papel importante numa sociedade democrática e devem atuar no sentido de garantir os direitos das pessoas independente de sua cor/ raça, crença religiosa ou orientação sexual. “As produções televisivas deveriam refletir a diversidade da população brasileira em todos os seus segmentos, contribuindo para a consolidação de uma sociedade justa, plural e igualitária”, declara.

Leis na TV

Carlos Alberto Júnior lembra ainda que como concessões públicas as emissoras de televisão estão submetidas às leis brasileiras e a regulamentação específica imposta a esses veículos, na qual estão explícitas a proibição e o repúdio ao racismo e à discriminação.

O Conselho de Defesa dos Direitos dos Negros pretende divulgar nesta quinta (11) uma nota de repúdio à série com base nas imagens mostradas nas chamadas veiculadas nos últimos dias na TV. “Estamos preocupados com o enfoque racista e machista contra a mulher negra que estão ali. Ainda devemos analisar se o conteúdo do programa será preconceituoso, mas já podemos ter uma ideia pelas divulgações que a emissora tem feita durante a programação”, explicou Ana Rosa Oliveira, do Conselho, ao iG nesta quinta-feira (11).

“Que caretice é essa?”

Em meio polêmica, Miguel Falabella se manifestou no Facebook. O autor da série se mostrou indignado com a reação dos órgãos que representam o direito dos negros, que chamou de “caretice”. “Como é que saem por aí pedindo boicote ao programa, como os antigos capitães do mato que perseguiam seus irmãos fugidos? O negro mais uma vez volta as costas ao negro. Que espécie de pensamento é esse? Não sei o que é mais assustador. Se o pré-julgamento ou se a falta de humor”.

Com informações do Portal IG

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta