fbpx
Governo do AM já identificou 36 vítimas do massacre da Compaj

Processo de identificação de vítimas pode levar até um mês

A Secretaria de Segurança Pública do Amazonas informou que já possui os nomes de alguns envolvidos na rebelião do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) que deixou 60 detentos mortos no último domingo(1).

Assim que todos forem identificados, serão transferidos para presídios federais.

O inquérito que apura os líderes da rebelião no Compaj está em andamento e está nas mãos do delegado Ivo Martins, da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros. Policiais Civis e Militares foram convocados para atuar na força tarefa da segurança, investigações e na recaptura de foragidos.

Ainda segundo a SSP, as Forças Nacionais de Segurança só serão solicitadas, caso haja necessidade Até o início da tarde, 54 detentos que haviam fugido do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat) e Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) foram recapturados.

Barreiras móveis da Polícia Militar estão sendo colocadas em pontos da cidade, rodovias estaduais e na BR 174, estrada que liga Manaus a Boa Vista (RR).

Identificação

A Polícia Civil confirmou que já foram identificados 36 corpos das vítimas do massacre no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj). Desse número, dez corpos foram liberados – seis deles já estão com as respectivas famílias e os outros quatro permanecem na sede do Instituto Médico Legal (IML), em Manaus.

O processo de identificação de todos os corpos pode levar até um mês, informou o Departamento de Polícia Técnico-Científica do Amazonas (DPTC) em coletiva realizada nesta terça-feira (3) no IML. A polícia ainda trabalha na identificação de 20 vítimas do massacre. Ao todo, 56 pessoas morreram na rebelião ocorrida entre o domingo (1º) e a segunda-feira (2).

Segundo o órgão, a identificação dos corpos ocorreu por meio de impressão digital, arcada dentária e DNA. Os presos já identificados apresentaram fraturas, dilacerações ou degolamentos.

 

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta