fbpx
Governo é acusado de forçar servidores à empréstimo para pagar recurso de cassação

Chefe da Casa Civil teria convocado comissionados para arrecadar R$ 1,5 milhão; dinheiro seria para pagar advogados

Porto Velho — O secretário- chefe da Casa Civil do Governo do Estado de Rondônia, Emerson Castro está sendo acusado por vários servidores de ter determinado que eles façam um empréstimo bancário para ajudar a pagar a defesa do governador Confúcio Moura [su_frame align=”right”] [/su_frame](PMDB) em Brasília. Confúcio teve seu mandato cassado em 5 de março deste ano pelo Tribunal Regional Eleitoral. Ele recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral que concedeu liminar. Falta ser julgado o mérito da ação e é exatamente essa defesa que precisaria ser paga.

O deputado estadual Jesuíno Boabaid (PT do B), em discurso na tribuna da Assembleia na tarde da última terça-feira, 1, declarou ter sido procurado por servidores comissionados que haviam sido convocados pelo chefe da Casa Civil para uma “reunião”, onde Castro teria feito um “discurso apaixonado” e teria finalizado sugerindo que os comissionados, “até para defenderem seus empregos” fizessem um empréstimo junto à instituições financeiras para ajudarem no pagamento dos advogados que foram contratados em Brasília.

“Confúcio não tem dinheiro”

A defesa do governador em Rondônia ficou à cargo do advogado José de Almeida Júnior, cunhado do senador Valdir Raupp (PMDB). Os honorários de Almeida, por serviços prestados ao governador normalmente são pagos pelo PMDB. Com a cassação do mandato o processo foi para Brasília e lá terá que ser contratada outra banca, que ainda não foi definida. Correligionários de Confúcio afirmam que “o governador não tem dinheiro” para o recurso em Brasília, já que ninguém esperava que o processo chegasse tão longe.

O deputado Jesuíno Boabaid declarou que pretende apresentar a denúncia completa contra o Chefe da Casa Civil nesta quarta-feira, no plenário da Assembleia Legislativa. Ele afirmou que as acusações “são gravíssimas” e devem ser apuradas. O governo não se manifestou sobre o assunto.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta