Guiné Equatorial repassou dinheiro à Beija-Flor por empreiteiras brasileiras

Segundo carnavalesco da escola, patrocínio veio de empresas envolvidas em denúncias da Operação Lava-Jato e que atuam no país africano

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Em meio á polêmica por ter o desfile patrocinado pela ditadura da Guiné Equatorial, um dos carnavalescos da Beija-Flor, Fran-Sérgio Oliveira, chegou a afirmar que os R$ 10 milhões recebidos para a preparaçãodo desfile vencedor saíram de empresas brasileiras que têm obras no país africano. Ele citou o nome das empreiteiras Queiroz Galvão e Odebrecht, envolvidas em denúncias da Operação Lava-Jato, e do grupo ARG. Procuradas pelo GLOBO, as empresas não retornaram as ligações.

— São mais empresas, essas são as que eu sei. O governo da Guiné não nos deu dinheiro, e sim apoio cultural. Eles nos cederam livros, fotos e outros materiais. É um povo (da Guiné) que sofreu muito e que, através do seu presidente, está construindo um país novo, que pensa em saúde, infraestrutura, saneamento básico. O povo é superfeliz com isso, então não importa o regime — afirmou.

Em sua passagem pelo carnaval carioca, a comitiva do presidente Teodoro Obiang , há 35 anos no poder, pagou cerca de R$ 120 mil pelo aluguel de dois camarotes na Sapucaí, onde exigiu champanhe Dom Pérignon. No dia seguinte, o grupo gastou R$ 79 mil numa churrascaria.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta