Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Hackers invadem e controlam brinquedos sexuais

0

Você tem com a sua parceira algum brinquedo sexual como este, que é conectado à internet? Tem receio do que pode acontecer se hackers o invadirem?

Durante a CeBIT, maior exposição comercial do mundo dos serviços de telecomunicações digitais e TI, especialistas em segurança surpreenderam os espectadores ao invadir um vibrador usando um laptop. De acordo com os fabricantes de software da Trend Micro, não são apenas os computadores e smartphones que estão vulneráveis aos ataques cibernéticos. Pode ser que o seu brinquedo sexual esteja na mira de um deles.

Hoje em dia, devido ao fato de que a quantidade de aparelhos conectados à internet é cada vez maior, e esses aparelhos podem variar desde equipamentos médicos a brinquedos sexuais, todos eles podem ser invadidos por um hacker.

Para ilustrar essa ideia, o representante da Trend Micro Udo Schneider surpreendeu os jornalistas durante a coletiva de imprensa ao colocar um grande vibrador rosa na mesa que estava à sua frente, e o ligou ao digitar algumas linhas de um código em seu laptop.

A surpresa provocou risos tímidos na plateia, mas a mensagem foi algo preocupante. Como o número de dispositivos interativos conectados à Internet não para de crescer, a preocupação é a montagem em relação a insuficientes tipos de proteção e a falta de conhecimento dos consumidores e dos funcionários. “Se eu invadir um vibrador, é apenas diversão”, disse Raimund Genes, CTO da Tokyo- Trend Micro, aos jornalistas na feira de tecnologia CeBIT, em Hanover. “Mas se eu posso chegar ao fabricante, e posso chantageá-lo”, acrescentou, referindo-se ao sistema de programação por trás da interface do dispositivo.

Na Alemanha, anfitriã da CeBIT e lar dos fabricantes campeões do mundo, há cada vez mais hackers e ataques a locais de produção industrial, de acordo com o relatório mais recente da IT Security Report.

Em 2014, uma usina siderúrgica alemã sofreu “danos maciços” devido a um ataque cibernético na rede da planta.

Nas últimas semanas, vários hospitais alemães sofreram ataques de ransomware, vírus que criptografa dados em máquinas infectadas e exige que os usuários paguem para obter uma chave eletrônica para desbloqueá-lo. No ano passado, o governo alemão fez uma chamada para que as pessoas prestassem mais atenção e tomassem os devidos cuidados, e isso ocorreu quando os hackers atacaram a rede informática do Parlamento, forçando-o a desligar o sistema por vários dias e comprometendo grandes quantidades de dados.

E o que mais preocupa o governo é o fato de não saber se defender direito quando o assunto é ataques cibernéticos. “Se alguém decidir atirar de cima do telhado do parlamento, eles saberão tudo sobre isso e como se defender, já quando os dados são desviados por meses, fica muito mais difícil”, disse Dirk Arendt, diretor de relações públicas da empresa de segurança cibernética israelense Point Software Technologies.

Como resposta à ameaça cibernética crescente, em julho do ano passado foi aprovada na Alemanha uma lei de segurança de TI que ordena que 2.000 fornecedores implementem as normas mínimas de segurança e reportem violações graves ou algum tipo de penalidade. De acordo com o grupo Bitkom, 51% das empresas têm sido vítimas de espionagem digital, roubo de dados ou sabotagem nos últimos dois anos.
A ameaça na Alemanha é maior entre os fabricantes de pequenas e médias empresas, conhecido como Mittelstand, onde dois terços das empresas registraram ataques.

De acordo com o Relatório de Segurança Cibernética da Deutsche Telekom, eles esperam que caia o número de empresas que sofrem com ataques cibernético devido a todas as providências que estão sendo tomadas.
Agora basta saber se as mesmas precauções estão sendo tomadas no Brasil, porque se não, cuidado na hora de ligar e brincar com a sua parceira com o seu brinquedo sexual conectado à internet, pois ele pode lhe dar mais (ou menos) prazer do que vocês esperam.

Comentários
Carregando