fbpx
Homem é preso por vender suplementos alimentares ilegais

Na delegacia, o suspeito alegou que não tinha conhecimento que os produtos possuíam substâncias proibidas

Um homem, de 23 anos, foi preso, pela Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Saúde (Decrisa), suspeito de vender suplementos alimentares que possuem substâncias proibidas no país. A prisão aconteceu no bairro Bigorrilho, em Curitiba (PR). Além da prisão, cerca de 20 produtos importados de origem desconhecida foram apreendidos.

A especializada recebeu uma denúncia anônima, informando que uma loja de suplementos alimentares estaria vendendo produtos que possuíam substâncias proibidas no país e que uma pessoa estava tendo reações adversas após ingerir esses produtos.

Durante as diligências, os investigadores junto com a Vigilância Sanitária foram até a loja e apreenderam cerca de 20 produtos (suplementos alimentares que possuem substâncias proibidas no país) no estoque da loja. Devido as irregularidades o comércio foi autuado por várias infrações pela Vigilância Sanitária.

“Haviam produtos com rotulagem em língua estrangeira, o que é um crime contra o consumidor, produtos alimentícios sem registro do Ministério da Saúde e produtos que estão na lista de substâncias proibidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”, informou o delegado responsável pelo caso, Vilson Toledo.

Na delegacia, o suspeito alegou que não tinha conhecimento que os produtos possuíam substâncias proibidas.

Na esfera criminal, ele responderá por falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produtos destinados afins terapêuticos ou medicinais. Se condenado, poderá pegar até 15 anos de prisão.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta