Identificada brasileira que morreu ao transportar cocaína no estômago na Argentina

Ruptura de cápsulas da droga provocou overdose; corpo da jovem de 19 anos foi jogado de carro em Buenos Aires

A polícia da Argentina identificou nesta segunda-feira, 3, o corpo jogado de um carro em Buenos Aires como o de uma jovem brasileira de 19 anos que, segundo as autoridades, morreu após algumas das 80 cápsulas de cocaína que ela havia ingerido terem se rompido em seu estômago.

O corpo de Miriam Natiele Alencar da Silva, foi encontrado na noite desta segunda-feira em uma rua do bairro de Villa Devoto, explicou o promotor encarregado do caso, Martín Mainardi.

 “A mulher morreu por uma overdose resultado da ruptura das cápsulas de cocaína que encontramos no interior de seu estômago”, explicou o promotor em um comunicado.
O Ministério Público indicou que as câmeras de segurança da região registraram o momento em que o homem, que dirigia um Peugeot 206 vermelho, jogou o corpo sem vida da jovem na rua.

O corpo só foi identificado graças à irmã menor da vítima, que estava perdida a poucos quilômetros do local onde a brasileira foi encontrada. Ela admitiu que a irmã trabalhava como “mula”, pessoa que usa o corpo para transportar drogas.

Surinamês deveria ter levado Miriam ao hospital, mas jogou seu corpo em uma via pública

Fontes policiais e judiciais citadas pela agência argentina Télam afirmaram que dois suspeitos foram presos, um deles argentino e outro do Suriname, durante as investigações do caso. Eles levavam US$ 22,3 mil, € 3,5 mil e 28 mil pesos argentinos.

A polícia disse que os dados deles batem com os fornecidos pela irmã da vítima.

Como foi dito, ela e sua irmã, 19, chegou ao país do Brasil e ficamos em um hotel em Buenos Aires, onde ela conseguiu expulsar várias cápsulas com drogas que ele tinha tomado.

Em seguida, eles se mudaram para um edifício localizado em Las Heras em 2600 Lomas del Millon, onde sua irmã passou mal, e seria levado pelo pelo surinames em um Peugeot 206 para um hospital.

No entanto, fontes do caso afirmaram que a vítima foi deixada sem vida em via pública sem ter passado por qualquer hospital.

 

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta