fbpx

Presídio de médio porte que abriga presos provisórios e de alta periculosidade está às escuras; há cerca de 10 dias assassino e assaltes fugiram pulando muro

O presídio Padinha em Porto Velho, local que abriga presos provisórios (que aguardam julgamento) é um verdadeiro ‘breu’ quando cai a noite. Imagens exclusivas obtidas por PAINEL POLÍTICO® mostram as precárias condições de trabalho que os agentes penitenciários são submetidos. O acesso às guaritas não tem nenhuma iluminação e tomado pelo mato. Das quatro guaritas, apenas uma funciona à noite. Há cerca de 10 dias, três perigosos marginais fugiram do Pandinha serrando a grade da cela e pulando o muro, sem nenhuma dificuldade.

As guaritas são de responsabilidade da Polícia Militar, que não envia os policiais por falta de contingente. À noite, apenas 8 agentes penitenciários ficam de serviço, cuidando de presos. Veja as imagens abaixo:

As imagens mostram bem as condições precárias em que se encontra o Pandinha. O governo insiste em querer mostrar uma versão fantasiosa do sistema, que não condiz com a realidade. Em janeiro desse ano, o governo anunciou a implantação do “monitoramento de câmeras” e de acordo com o release, “a diretora do Presídio Provisório, Andreia Cardoso de Oliveira, disse que na unidade foram instaladas quatro câmeras de monitoramento adquiridas com o recurso do Programa de Gestão Financeira (Progesfi)”. Conforme Andréia, as câmeras foram dividas entre a área externa e interna da unidade. “O monitoramento por câmeras é de muita importância para a unidade, pois dá suporte para o efetivo  de agentes penitenciárias”. Mas, com a iluminação precária, é praticamente impossível as câmeras captarem alguma movimentação à noite.

 

 

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta