Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Irritada com merenda escolar, vilhenense faz desafio ao governador de Rondônia

0

Janaína Bond Silva tem a filha Ester Bond Silva, de 7 anos, estudando a segunda série no turno matutino da Escola Estadual Senador Ronaldo Aragão, no bairro São José. Dias atrás, o estabelecimento de ensino enviou comunicado aos pais dos mais de duzentos alunos pedindo para que trouxessem merenda de casa, pois o colégio estava sem comida devido a atraso de repasse de verbas para custear a alimentação. Dias depois, a direção, assim como professores e merendeiras realizaram reunião com as famílias para explicar a situação, ocasião em que revelaram que o Estado investe R$0,30 (isso mesmo, trinta centavos por dia) para alimentar os alunos.

Por isso, a comida se resume a um “mexidão” de arroz com carne moída, servido apenas uma vez por jornada. Indignada com o descaso, Janaína e outros pais não se conformam com o fato, e muitos demonstram insatisfação com tal conduta. “Antes de reclamar, quero aqui fazer um elogio à direção e aos funcionários do colégio, que conseguem realizar um verdadeiro milagre para alimentar nossos filhos, coisa que não passa de um direito nosso. É só mesmo por causa do empenho e boa vontade deles que as crianças não passam fome”.

Janaína expressa a irritação dos pais com o problema: “Agora, a indagação que quero fazer ao governador Confúcio Moura é a seguinte: é possível manter uma criança em fase de crescimento em alimentada com trinta centavos? Será que é isto que a família dele gasta para manter as crianças que devem ter seu mesmo sobrenome vivas e saudáveis? Duvido!”, argumenta.
Para comprovar se está certa em seu raciocínio, Janaína lança uma sugestão: “Que tal os pais doarem ao governo o mesmo valor, que ao mês soma R$ 9,00 reais por criança para conferir se tal milagre é realizável? Se eu estiver errada, peço desculpas antecipadamente, mas vivo no mundo real, tenho dois filhos, e na minha casa com este valor não dá nem para comprar balinhas para meus filhos, agradar minhas crianças, e muito menos para mantê-las vivas”, finaliza.

Fonte: FS

Comentários
Carregando