Itália investiga suicídio de mulher após vídeo sexual

“Minha sobrinha foi assinada pela web e pela indiferença de muitos”, denunciou uma das tias de Tiziana

A justiça da Itália abriu nesta quarta-feira uma investigação se um vídeo com conteúdos sexuais publicados na internet induziram uma mulher do país a cometer suicídio.

Tiziana Cantone se suicidou ontem no porão de sua casa e seu corpo foi encontrado por sua tia, segundo a imprensa local. É o desfecho de uma história que começou em 2015, quando a mulher descobriu estar em vários vídeos de conteúdo sexual divulgados em sites da internet e nas redes sociais.

Natural de Nápoles, Tiziana, de 31 anos, filha de um dono de um bar da região, tinha gravado as relações sexuais que manteve com um ex-companheiro que, sem informá-la, divulgou os vídeos na rede.

A Justiça determinou a retirada dos vídeos da internet e condenou os vários sites que os divulgaram a pagar uma elevada multa. Mesmo assim, Tiziana se transformou em alvo de brincadeiras e insultos, que, inclusive, fizeram com que ela perdesse o emprego.

“Abrimos uma investigação por indução ao suicídio”, disse o promotor-chefe de Nápoles, Francesco Grego, após a morte.

Imersa na angústia e depressão, Tiziana tentou mudar sua identidade e deixar Nápoles. A decisão judicial que determinou a eliminação dos vídeos da internet saiu na semana passada, mas veio acompanhada de um revés para ela: a sentença também determinava que ela pagasse 20 mil euros de custos judiciais a cinco sites da internet por considerar que ela consentiu com as gravações.

“Minha sobrinha foi assinada pela web e pela indiferença de muitos”, denunciou uma das tias de Tiziana.

Agência EFE

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário