JBS e Odebrecht doaram para Gurgacz, mais de R$ 933 mil em 2014

O senador Acir Gurgacz (PDT-RO) está avaliando a possibilidade de mudar seu voto em relação a presidente Dilma Rousseff, que está afastada da presidência por conta das chamadas “pedaladas fiscais”, em que ele é relator no Senado e, assim como o PT e a própria presidente, “não vê crime na manobra”.

Além dele, o senador carioca Romário Faria (PSB) também está avaliando a possibilidade.

No caso de Gurgacz, ele nunca escondeu a contrariedade em votar contra a presidente na sessão de afastamento, indo contra a determinação do PDT, que está fechado com Dilma desde o começo. Gurgacz atualmente integra a executiva nacional do partido, é secretário de Relações internacionais e presidente estadual da legenda. Ao jornal O Globo, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi garantiu que o senador vai mudar seu voto e apoiar o retorno de Dilma Rousseff ao cargo.

E o PDT tem grandes motivos para manter o apoio à Dilma e ao PT. Nas eleições de 2014, a JBS Friboi foi a segunda maior doadora de campanha para Gurgacz, repassando R$ 833.328, conforme consta na prestação de contas do senador. O primeiro foi ele próprio, com R$ 1.570.599,48.

Doações na campanha de 2014, segundo prestação de contas do senador
Doações na campanha de 2014, segundo prestação de contas do senador

Quem também doou para ajudar na eleição de Gurgacz em Rondônia foi a construtora Norberto Odebrecht, que assinou na semana passada um acordo de leniência e delação premiada com o Ministério Público Federal. A construtora se comprometeu a detalhar toda a movimentação do chamado “caixa 2” e pode comprometer cerca de 300 políticos de todo o país.

 

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário