fbpx
João Santana desembarca no Brasil sem celular e sem notebook

O marqueteiro João Santana já está em São Paulo sob custódia da PF.

Ele chegou ao Brasil acompanhado de seu advogado, que estava no mesmo voo.

Detalhe que chamou a atenção de quem acompanha o caso é que ele veio sem seu celular e notebook.

A Polícia Federal suspeita que os recursos tenham origem no esquema de corrupção na Petrobras investigado na Operação Lava Jato.

Santana e a mulher, Monica Moura – que também teve a prisão decretada nesta segunda-feira (22) –, estavam na República Dominicana, onde participavam da campanha de reeleição do presidente do país.

Eles chegaram ao Aeroporto de Cumbica em um voo da Gol vindo de Punta Cana, na República Dominicana, previsto para chegar às 10h, mas com aterrissagem antecipada para as 9h20. O advogado de Santana, Fábio Toufic, também estava no voo.

[su_frame align=”right”] [/su_frame]O casal foi preso por agentes que o aguardavam e vai ser levado em um avião da Polícia Federal para Curitiba, onde se concentram as investigações da Lava Jato.

O assessor de Santana que o aguardava no aeroporto afirmou que ele ficou bastante surpreso com a decisão da Justiça, mas está tranquilo porque o dinheiro que tem fora do país veio de campanhas feitas no exterior. A mesma explicação foi dada pela defesa do publicitário ao Jornal Nacional na noite de segunda. “Nenhum centavo” é de campanha brasileira, disse a defesa.

Segundo os investigadores, Santana teria recebido US$ 3 milhões de offshores ligadas à Odebrecht, entre 2012 e 2013, e US$ 4,5 milhões do engenheiro Zwi Skornicki, representante oficial do estaleiro Keppel Fels no Brasil, entre 2013 e 2014.  O engenheiro foi preso nesta segunda-feira e é apontado como operador do esquema.

Investigadores suspeitam que os pagamentos foram feitos em troca de serviços prestados pelo publicitário ao PT. Santana foi marqueteiro das campanhas da presidente Dilma Rousseff, da campanha da reeleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006.

“Há o indicativo claro de que esses valores têm origem na corrupção da própria Petrobras. É bom deixar isso bem claro, para que não se tenha a ilusão de que estamos trabalhando com caixa 2, somente”, disse o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima.

Nesta segunda, a defesa de Santana já tinha comunicado ao juiz Sérgio Moro que ele e a mulher tinham agendado a volta ao Brasil, mesmo sem ter recebido a notificação oficial sobre os pedidos de prisão.

‘Origem espúria’
Segundo relatório da PF, João Santana e a mulher ocultaram das autoridades os recursos recebidos no exterior porque tinham conhecimento da “origem espúria” deles. Esse dinheiro foi escondido, conforme o relatório, mediante fraudes e “com a finalidade exclusiva de esconder a origem criminosa dos valores, que, como se viu, provinham da corrupção instituída e enraizada na Petrobras”.

De acordo com o delegado Filipe Pace, é “extremamente improvável” que a destinação de valores aos dois, no exterior e em conta de uma offshore, esteja desvinculada dos serviços que os dois prestavam ao PT, uma vez que a fonte de renda de ambos no Brasil vem das atividades de marketing e publicidade que eles prestam ao partido.

Carta indicava caminhos para fazer pagamentos
Segundo o delegado Filipe Pace, os fatos relevados na 23ª fase da Lava Lato surgiram de materiais apreendidos na 9ª etapa da operação. Entre eles, estava uma carta de Monica Santana, sócia deJoão Santana na Pólis Propaganda & Marketing, endereçada ao engenheiro Zwi Skornicki.

Nela, havia um contrato entre a offshore Shellbill, que tem sede no Panamá e a PF acredita ser de Monica, e a Innovation, ligada à Odebrecht.

A carta indicava caminhos para fazer pagamentos. Havia números de contas do Citibank em Nova York e em Londres, que, na verdade, correspondiam a uma conta na Suíça. O banco permitia operações em dólar e euro por meio de contas conveniadas nos Estados Unidos e no Reino Unido. “O dinheiro foi depositado através dessas contas correspondentes, mas o beneficiário final foi a sua conta na Suíça”, disse Filipe Pace.

A conta dos publicitários não foi declarada às autoridades brasileiras, segundo o Ministério Público Federal (MPF). Investigadores suspeitam que Santana comprou um apartamento de R$ 3 milhões em São Paulo com o dinheiro que recebeu da Odebrecht.

Com informações de Veja e G1

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta