• Homepage
  • >
  • Brasil
  • >
  • Joesley cita propina de R$ 6 milhões a Marcos Pereira

Joesley cita propina de R$ 6 milhões a Marcos Pereira

Para ministro, baixa aprovação de Temer é reflexo de 'crise profunda'

O titular do Ministério de Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) e presidente licenciado do PRB nacional, Marcos Pereira, foi citado na delação de Joesley Batista. Segundo o Anexo 12 do pré-acordo de delação entre Ministério Público e Joesley Batista, foi combinado o repasse de R$ 6 milhões em parcelas de 500 mil reais ao político.

O dono do maior grupo de carnes do Brasil afirma ter sido procurado pelo vice-presidente da Caixa Econômica Federal, Antônio Carlos. Indicação do PRB, Antônio Carlos afirmou que sua permanência no cargo de vice-presidente estava correndo risco e “dependia do atendimento a pedidos feitos por quem lhe indicou”. O pedido ocorreu no processo final de aprovação de um empréstimo de 2,67 bilhões de reais junto à Caixa Econômica.

Antônio Carlos teria comunicado a Joesley Batista que seria necessário o pagamento de R$ 6 milhões de reais em propina ao Presidente licenciado do PRB, Marcos Pereira. O dinheiro, teria frisado o vice-presidente da Caixa Econômica, era 100% para o presidente do partido e ministro do MDIC. Joesley concordou com o pagamento e mandou Marcos Pereira lhe procurar para acertarem o pagamento, já que ambos se conheciam pessoalmente.

No início de 2016, segundo a delação, Marcos Pereira procurou JB, confirmou o que fora dito por Antônio Carlos e combinou o pagamento em parcelas de R$ 500 mil. Ao todo, R$ 4,2 milhões foram repassado. Em 24/03/2017, JB pagou em sua residência R$ 700 mil diretamente a Marcos Pereira.

Quando da liberação do empréstimo citado na delação, com duração de sete anos e dois anos de carência, houve surpresa do mercado pelo alto valor da operação. A quantia proporcionou à J&F, holding que controla as empresas do grupo JBS, adquirir à vista a Alpargatas, fabricante das marcas Havaianas, Osklen, Mizuno entre outras, pertencente ao grupo Camargo Corrêa, envolvido nas investigações da operação Lava Jato.

Marcos Pereira já é investigado por receber dinheiro da construtora Odebrecht. Segundo delação da construtora, o ministro, que também é pastor licenciado da Universal do Reino de Deus, principal berço político e eleitoral do PRB, e foi vice-presidente da Rede Record de televisão, teria negociado e recebido R$ 7 milhões em troca de apoio à candidatura de Dilma Roussef e Michel Temer ao Planalto.

Procurado, o líder do PRB na Câmara dos Deputados, Cleber Verde (MA), preferiu não comentar as acusações imputadas ao correligionário. Há reunião da bancada na Câmara na próxima terça-feira (23/5), para avaliar o cenário político nacional e as delações da JBS.

A assessoria de Imprensa do MDIC preferiu não comentar e não informou se alguma nota será emitida. A sede do PRB, que fica em Brasília, redirecionou a reportagem do JOTA a entrar em contato com a assessoria da bancada na Câmara. Não conseguimos contato. O ministro Marcos Pereira e seu assessor de imprensa foram procurados pela reportagem, que não conseguiu contato com ambos.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Por favor, dê um like em nossa página no Facebook
Placeholder
Anterior «
Próximo »

Muryllo F. Bastos é advogado, editor do site e Painel Político. Natural de Vilhena.

  • facebook
  • googleplus

Deixe uma resposta

Direto de Brasília

Associado da Liga de Defesa da Internet