José Dirceu é alvo de nova denúncia na Operação Lava Jato

Além de Dirceu, outras 4 pessoas foram denunciadas

O ex-ministro José Dirceu foi denunciado pela terceira vez no âmbito da Operação Lava Jato, segundo informações divulgadas nesta terça-feira (2) pelo Ministério Público Federal (MPF).

Segundo a força-tarefa, Dirceu recebeu R$ 2,4 milhões entre 2011 e 2014 das empreiteiras Engevix e UTC a partir de contratos da Petrobras.

Além de Dirceu, outras 4 pessoas foram denunciadas: Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, irmão do ex-ministro; João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT; Gerson de Melo Almada, ex-executivo da Engevix; e Walmir Pinheiro Santana, ex-executivo da UTC. Nas outras duas denúncias, Dirceu foi condenado à prisão. Ele, que nega as acusações, se encontra preso em Curitiba. Dirceu foi ministro-chefe da Casa Civil do primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), entre 2003 e 2005. Nesta terça, o STF (Supremo Tribunal Federal) deve julgar o pedido de habeas corpus do ex-ministro, que está preso em Curitiba desde agosto de 2015.

Condenações

Em maio de 2016, Dirceu foi condenado a mais de 23 anos de prisão pelo juiz federal Sergio Moro, que conduz a Operação Lava Jato na primeira instância. Neste caso, ele foi acusado de ter recebido propina paga pela construtora Engevix relativa a contratos com a Petrobras.  Essa condenação a primeira é relacionada a denúncia do MPF feita em setembro de 2015, em que Dirceu e mais 16 pessoas foram acusadas pelos crimes de organização criminosa, corrupção ativa e lavagem de dinheiro praticados no âmbito da Diretoria de Serviços da Petrobras, no período entre 2003 a 2015.

Em março deste ano, o ex-ministro foi novamente condenado, desta vez a 11 anos de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Neste processo, Dirceu foi apontado como destinatário de dinheiro de propina paga pela empresa Apolo Tubulars para que ela fosse contratada pela Petrobras.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário