Judicialmente, prefeitura cancela contrato com Marquise

A prefeitura de Porto Velho suspendeu, por ordem judicial, o contrato com a empresa Marquise, responsável pela coleta de lixo na capital. Pelos próximos seis meses a Marquise deverá manter os serviços, e a prefeitura terá esse período para fazer nova licitação. O prefeito Mauro Nazif pretende dividir a coleta por setores, abrindo para várias empresas.

O contrato com a empresa Marquise havia sido feito ainda na gestão Roberto Sobrinho e causou uma série de polêmicas em função do elevado valor (cerca de R$ 300 milhões) e o tempo de exploração, que seria de 20 anos.

A empresa deveria ter construído um aterro sanitário, além de promover a coleta seletiva de lixo, entre outras.

No fim da gestão Sobrinho, o Tribunal de Contas detectou uma série de irregularidades no contrato, entre elas algumas artimanhas para aumentar o peso dos caminhões quando passavam na balança do lixão municipal, como por exemplo, colocar vários funcionários na carroceria. Como o pagamento é feito por tonelada de lixo recolhido, ao final do mês havia um sobrepeso significativo.

 

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta