Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Juiz mantém prisão de Paulo Bernardo e outros investigados

0

Investigação apura esquema de desvio de verbas no sistema no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

A audiência de custódia do advogado Guilherme de Salles Gonçalves, que foi preso na Operação Custo Brasil terminou por volta das 15h desta segunda-feira (27). Ele estava em Portugal e chegou ao país neste domingo (26). Gonçalves foi ouvido na tarde desta segunda pelo juiz federal Paulo Bueno de Azevedo, da 6ª Vara Federal Criminal, em São Paulo.

O advogado e o ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira, eram os únicos que não tinham sido presos durante a Operação Custo Brasil, deflagrada na quinta-feira (23), apura um esquema de desvio de verbas no sistema de gestão do crédito consignado no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, segundo o Correio do Povo.

Na sexta-feira (24), nove presos na operação já tinham sido ouvidos pelo juiz: o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo, o ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira, Joaquim José Maranhão da Câmara, Daisson Silva Portanova, Dércio Guedes de Souza, Emanuel Dantas do Nascimento, Nelson Luiz Oliveira Freitas, Washington Luis Viana e Valter Correia da Costa, ex-secretário de municipal de Gestão de São Paulo. Após ouvir Gonçalves, o juiz decidiu manter presos todas as pessoas que foram detidas na Custo Brasil.

“A decisão do juiz da 6ª Vara Criminal foi de que os motivos da prisão preventiva permanecem.” Ou seja, todos os investigados que foram presos no âmbito da Operação Custo Brasil continuarão na prisão, disse o procurador da República Rodrigo de Grandis.

Na saída, o advogado de Gonçalves, Rodrigo Sanchez Rios, afirmou que seu cliente agiu de forma transparente.“Em nenhum momento, pela perícia que apresentamos, há uma retirada de dinheiro vultoso do escritório destinado a algum servidor público”, disse o advogado a jornalistas.

De acordo com o advogado, Gonçalves está sendo acusado de ser lobista ou instrumento do ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo. “Isso é denegrir a imagem de um profissional que tem anos de experiência na área de direito eleitoral e administrativo, um advogado reconhecido em Curitiba e no Brasil inteiro”, afirmou Sanchez Rios.

Comentários
Carregando