fbpx
Justiça aceita denúncia, mas manda soltar PRF que matou empresário

Ricardo Su Moon é acusado também de duas tentativas de homicídio

O juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, Carlos Alberto Garcete, aceitou em parte a denúncia oferecida pelo Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MP-MS) contra o policial rodoviário federal Ricardo Hyun Su Moon.

Ele é acusado de homicídio que teve como vítima o empresário Adriano Correia do Nascimento, e duas tentativas, contra Agnaldo Espinosa da Silva e um adolescente. O crime foi na manhã do dia 31 de dezembro de 2016.

No mesmo despacho, Garcete concedeu liberdade provisória ao policial rodoviário federal, com a aplicação de medidas cautelares. Ricardo Moon teve suspenso o direito de portar arma de fogo até o julgamento do processo, terá que ficar em casa no período noturno e usar tornozeleira (monitoramento eletrônico) durante seis meses. Moon está preso desde o último dia 5 na sede da Delegacia Especializada de Repressão Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros (Garras).

Policial Rodoviário Federal mata empresário em briga de trânsito e é preso; video

LEIA SOBRE O CASO:

Justiça decreta prisão de PRF que matou empresário em Campo Grande

PRF que matou empresário teve fiança negada; vítima pediu desculpas antes de morrer

Ainda de acordo com a decisão, Ricardo Moon poderá voltar a trabalhar, mas somente em atividades internas e está proibido de se ausentar do país. Por isso terá que entregar o passaporte à Justiça. O juiz também fixou fiança no valor correspondente ao carro que o PRF usava no dia do crime, uma Mitsubishi Pajero.

Carlos Alberto Garcete aceitou também as qualificadoras de que o crime teria sido praticado por motivo fútil e do acusado ter se utilizado de recurso que dificultou a defesa da vítima. Mas rejeitou outros pedidos feitos pelo MP-MS, como a quebra dos dados do celular de Ricardo Moon, já que esse procedimento já foi adotado pela Polícia Civil, no inquérito aberto para investigar o homicídio.

PRF alega que matou empresário em “legítima defesa” juiz diz que ele tem “despreparo emocional”

O magistrado também indeferiu o pedido do Ministério Público para que fossem apurados possíves crimes praticados por policiais militares que atenderam a ocorrência no dia do crime. No despacho, Garcete assinala que já há inquérito policial militar aberto pela Corregedoria.

A Polícia Civil ainda aguarda laudos complementares que serão anexados ao processo posteriormente.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta