Justiça autoriza ex-senador preso a fazer curso de inglês para reduzir pena

In Direito & Justiça
Ex-senador Luiz Estevão reformou bloco onde está preso na Papuda, diz MP-DF

Empresário do DF foi condenado a 26 anos de prisão. Pelas regras, ele tem direito a um dia a menos de pena para cada 12 horas de estudo

A Justiça do Distrito Federal autorizou o ex-senador Luiz Estevão a fazer um curso de inglês para tentar diminuir a pena de 26 anos pela qual foi condenado. De nível básico, o curso será feito à distância, tem carga horária de 180 horas e custa R$ 150. Pelas regras, ele tem direito a um dia a menos de pena para cada 12 horas de frequência escolar, em pelo menos três dias de estudo por semana.

A liberação para estudar foi concedida pela juíza Leila Cury em 6 de dezembro. Em outra decisão, ela negou o pedido de Estevão para diminuir a pena pela leitura de livros. O ex-senador argumentou que o ex-ministro José Dirceu tinha conseguido desconto na punição. A juíza, no entanto, afirmou que o benefício foi dado porque Dirceu trabalhou como bibliotecário.

Ex-senador Luiz Estevão reformou bloco onde está preso na Papuda, diz MP-DF

“A leitura e resenha de obras literárias pelo interno, embora seja atividade relevante do ponto de vista educacional e intelectual, não importaria em garantia ou direito adquirido à remição da pena”, considerou a juíza.

Na Papuda, Estevão já fez cursos de auxiliar de pedreiro e de auxiliar de oficina mecânica. Só estes estudos podem render 45 dias a menos no cálculo para que ele seja liberado.

Luiz Estevão cumpre pena desde março de 2016. Ele divide cela com o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato e com o publicitário Ramon Hollerbach, ambos condenados no escândalo do mensalão. O ex-senador e empresário também foi acusado de financiar a reforma do bloco onde cumpre pena, por meio de uma empresa de fachada.

A condenação foi imposta pela Justiça de São Paulo, a 31 anos de prisão pelos crimes de corrupção ativa, estelionato, peculato, formação de quadrilha e uso de documento falso nas obras do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo. Como dois dos crimes, quadrilha e uso de documento falso prescreveram, a pena final caiu para 26 anos.

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

You may also read!

O que a lei permite ou não nas carnes que você come

O que a lei permite ou não nas carnes que você come

Espalhe essa informação Para o Ministério da Agricultura, operação Carne Fraca exagerou na narrativa; mas, afinal, o que está

Read More...
Sete marcas de azeite são reprovadas em novo teste de qualidade

Sete marcas de azeite são reprovadas em novo teste de qualidade

Espalhe essa informação Em nova análise, a Proteste sugere que sete marcas sejam retiradas do mercado por fraude contra

Read More...
Empresários comemoram terceirização. Centrais sindicais preparam greve

Empresários comemoram terceirização. Centrais sindicais preparam greve

Espalhe essa informação De acordo com os representantes dos trabalhadores, a data da paralisação será decidida na segunda-feira (27/3),

Read More...

Deixe uma resposta

Mobile Sliding Menu