Justiça Federal nega pedido de habeas corpus para mulher de Sérgio Cabral

Advogados também tentaram a prisão domiciliar, justificando que filhos estariam desamparados, porque o pai, o ex-governador, também está preso

a defesa da ex-primeira-dama Adriana Ancelmo tentou convencer a Justiça Federal de que não há motivos concretos para que ela permaneça presa, mas o desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal (TRF), negou o pedido de liberdade e também o de prisão domiciliar.

No pedido de habeas corpus, os advogados afirmaram que a liberdade de Adriana não oferece risco à ordem pública, nem atrapalha a investigação e que, mesmo duas semanas depois da Operação Calicute, ela não deixou país ou se escondeu. Os advogados também tentaram a prisão domiciliar, justificando que ela tem filhos de 10 e 14 anos, que estariam desamparados, porque o pai, o ex-governador Sérgio Cabral, também está preso,

O desembargador justificou que a prisão de Adriana Ancelmo é necessária porque o crime de organização criminosa, como foi descrito pelo Ministério Público Federal, deve ser tratado com a gravidade determinada pela lei. Essa decisão será analisada e votada pelo colegiado de desembargadores na próxima quarta-feira (14).

Adriana é apontada pelos procuradores não apenas como beneficiária, mas como uma das principais responsáveis pelo esquema. Fotos da portaria do escritório da ex-primeira-dama mostram que Luiz Carlos Bezerra, ex-assessor de Sérgio Cabral, visitou o local pelo menos 19 vezes.

A ex-secretária de Adriana Ancelmo, Michele Thomaz, declarou que Bezerra entregava semanalmente no escritório até R$ 300 mil, em dinheiro, dentro de uma mochila. Mensagens mostram que Bezerra, apontado como operador financeiro do esquema, negociou pelo menos 16 vezes a entrega de mais de R$ 538 mil em espécie com Carlos Miranda, que fazia contatos com empreiteiras.

As mensagens de celular revelam, segundo os procuradores, as datas das entregas, os valores e como Adriana e Sérgio Cabral eram chamados. São várias as citações: ela, Adri ou Dri. Ele, BD, que seria “buldogue”.

Adriana Ancelmo recebeu apenas visita de advogados
Após dois dias detida no presídio Joaquim Ferreira, a ex-primeira dama do Estado do Rio, Adriana Ancelmo, recebeu apenas a visita de seus advogados. A informação é da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). O órgão informou, também, que ela passa bem e se alimenta normalmente.

Adriana está em uma cela de seis metros quadrados. Nela, há um beliche de alvenaria, um dispositivo sanitário no chão, um chuveiro e uma pia. No momento, a unidade, que tem 18 vagas, é ocupadas por nove detentas.

A Seap informou que o cardápio de almoço e jantar é formado por macarrão ou arroz, farinha, feijão, carne branca ou vermelha, salada, legumes, refresco e sobremesa. No café da manhã, foram servidos pão com manteiga e café com leite. O lanche é pão com manteiga com bolo e guaraná.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta