fbpx

Parecia que ia sair. Movimentos em várias cidades do Amazonas e em Rondônia uma caravana composta por empresários e políticos partiu rumo a Manaus pela BR 319, que para concluir resta pouco mais de 200 quilômetros. Uma linha de ônibus semanal da Eucatur já trafega pela rodovia, que deveria tirar o Amazonas do isolamento e ampliar o mercado entre os estados do Norte.

Mas eis, que mais uma vez a Justiça Federal, provocada pelo Ministério Público Federal do Amazonas, resolve jogar um balde de água fria em todos os setores (e inclui-se nisso grande parte da população dos dois estados) e concede uma liminar descabida e irresponsável, ao suspender todos os estudos e licenciamentos que já foram feitos, determinando que seja feito tudo de novo. Do zero. Como se dinheiro público não tivesse a menor importância em um país que está à beira da falência.

Ambientalistas, aqueles que infestaram Rondônia durante o período de licenciamento das usinas e misteriosamente foram desaparecendo um a um a medida em que eram chamados para uma “conversa” com diretores dos consórcios construtores, ficam dando azia e e mantendo os dois estados na idade da pedra lascada, e sem nenhum argumento sólido, fazem por fazer. Aliados a eles, estão os donos das balsas que ganham uma fortuna com o transporte de mercadorias pelos rios. Um transporte demorado, arriscado e que está longe de ser uma única opção.

Nesse jogo de interesses de meia dúzia de canalhas, sofre a população. Comunidades inteiras no mais completo isolamento, onde faltam hospitais, escolas, assistência social de fato, que lhes são negadas pelo capricho de meia dúzia.

Interessante que não se percebe a mesma dureza quando se trata de empreendimentos de interesse do governo petista. O PT nunca quis essa estrada e nunca escondeu de ninguém. Mas o PT queria as usinas em Rondônia, como quer Belo Monte, no Pará, onde comunidades inteiras de ribeirinhos e indígenas estão sendo massacrados, corrompidos, estuprados e viciados pelas obras que estão sendo feitas por lá. Dilma nunca quis essa estrada, como Lula também sempre foi contra. O Norte precisa se unir contra essa safadeza, a bancada nortista no Congresso tem que se mobilizar de fato, do contrário a coisa vai esfriar e foi essa a intenção da liminar. Atrasar ao máximo.

Uma fortuna dos cofres públicos está sendo literalmente jogada no lixo pelo desfavor que a Justiça Federal e o Ministério Público Federal estão prestando a esse país. Aliás, esse não foi o primeiro, e certamente não será o último. É a prova que a justiça se deixa levar por interesses políticos-partidários ideológicos sem vergonha. Uma pena que estejamos testemunhando essa situação. Manaus vai continuar como está e nós nos recolhemos a nossa estagnação econômica.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta