Léo Moraes pede providências para acabar com lago criadouro de mosquito Aedes Aegypt

 

Buscando colaborar com o trabalho do Comitê de Combate ao Aedes Aegypt e Enfrentamento da Microcefalia, o deputado Léo Moraes (PTB) solicitou das Secretarias Municipal e Estadual de Saúde e da Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa), providências quanto as denúncias que afirmam a existência de local considerado um enorme criadouro para as larvas do mosquito.algo mosquito 3

De acordo com as informações que tomaram conta das redes sociais nos últimos dias, trata-se de uma construção abandonada há mais de dois anos, localizada na Avenida Joaquim Araújo Lima, 2403, antiga Abunã.

As escavações iniciadas para a fundação da referida construção se transformaram em um enorme lago de água parada. O deputado afirmou que no ano passado esteve no local averiguando as mesmas denúncias e já teria encaminhado pedido de providências para as secretarias de saúde do município e do Estado.

lago mosquitoSegundo Léo Moraes, na época, o volume de água era ainda maior. Porém, embora tenham drenado um pouco da água, ele disse considerar um absurdo o problema não ter sido resolvido até hoje.

“Ainda mais agora que além de nos preocuparmos com a Dengue, precisamos combater uma possível epidemia de Chikungunya e Zika Vírus”, alertou o deputado.

Léo esteve novamente no endereço citado e disse ter constatado a realidade do risco iminente de transmissão de doenças. Com as chuvas, disse, a tendência é aumentar ainda mais o volume de água parada.

Através de ofícios encaminhados aos órgãos citados, o deputado pediu agilidade nos procedimentos de vistoria do local para que a saúde dos moradores da região seja preservada pela Ação do Poder Público, “bem protegido em nossa Carta Magna”, concluiu Léo Moraes.

Muryllo F. Bastos é advogado, editor do site e Painel Político. Natural de Vilhena.

Deixe uma resposta