Liberação da fosfoetanolamina envergonhará o Brasil, diz diretor da Anvisa

Projeto de lei que permite a distribuição da pílula, que não tem comprovação contra o câncer, será votado no Senado

O projeto de lei que autoriza a produção e distribuição da fosfoetanolamina sintética, a “pílula do câncer”, que não tem comprovação científica, recebeu parecer favorável ontem na Comissão de Assuntos Sociais do Senado. Agora, o projeto de lei deve ir para votação em plenário, em caráter urgente. Se aprovada, segue para sanção presidencial. Caso a presidente Dilma Rousseff sancione a lei, a substância, que não passou por estudos clínicos feitos em seres humanos, poderá ser produzida por laboratórios indicados pelo governo e distribuída a pacientes com doenças graves.

O médico sanitarista Jarbas Barbosa, diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mostrou preocupação com a possibilidade de o Congresso legislar a respeito de medicamentos sem o conhecimento técnico necessário. Essa responsabilidade cabe a órgãos de vigilância sanitária e, no Brasil, é competência da Anvisa. “Um congresso tem de ser sensível à opinião pública, inclusive, ao vai e vem dela. É por isso que congresso nenhum é bom para aprovar medicamentos”, disse Barbosa, durante o Fórum Nacional de Diálogos de Direito & Saúde, que começou ontem no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Barbosa disse que é possível que o projeto de lei seja aprovado. “É provável que ele seja aprovado. Não podemos deixar que uma certa marcha da insensatez afete a credibilidade do nosso país, da nossa ciência.”

A substância, que começou a ser distribuída há alguns, por um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo em São Carlos, sem autorização da universidade, virou foco de uma campanha popular que pede sua liberação para uso, sem os estudos científicos necessários. A fosfoetanolamina sintética não passou por todos os estudos, com animais e com seres humanos, exigidos no Brasil e em outros países do mundo, para a aprovação de um medicamento. Eles são necessários para garantir a segurança e comprovar a eficácia. Existe o risco de substâncias causarem efeitos colaterais graves ou não terem ação sobre a doença, o que pode causar o agravamento do quadro e até a morte. Pacientes com câncer cogitam interromper tratamentos comprovados pela ciência contra a doença para usar a fosfoetalomanina.

Por causa da comoção social despertada pela substância, o Ministério da Ciência & Tecnologia anunciou, em novembro do ano passado, a destinação de R$ 10 milhões para o financiamento de pesquisas para testar a ação da fosfoetanolamina sintética, sua eficácia e os riscos. A decisão despertou críticas porque especialistas consideraram que, no caso  da fosfo, condutas fora da ética científica e médica resultaram em verba para os estudos em detrimento de outras linhas de pesquisa. O protocolo para as primeiras pesquisas em humanos, a serem conduzidas pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, foi aprovado em 4 de março.

As informações são da revista Época

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

2 thoughts on “Liberação da fosfoetanolamina envergonhará o Brasil, diz diretor da Anvisa

  1. Na verdade nos so’sentimos na pele qd acontecem com ente queridos,a dor desta doenca terrivel envolve todos de uma forma tao triste que e’possivel sentir o proprio espirito em decadencia.nossas autoridades so’trabalham em seu favor,como eles vao aprovar um remedio de baixo custo a preco de banana capaz de eliminar de vez uma doenca dessa.Os laboratorios perderiam muito com isso mais seriam capases de conrromper todo um ministerio com bilhoes,trilhoes de dolares para comprar todas as autoridade constituidas sem carater e mercenario deste mundo cruel e desumano,Deus tenha misericordia desses montros.

  2. Médicos oncologistas do Sírio Libanês – SP (Brasil) sempre negaram que receitavam fosfoetanolamina para seus pacientes. Mas não é o que denunciam os documentos no link abaixo:

    Veja https://www.facebook.com/deiseilha/posts/1185608734785856

    Nessa mesma postagem, médico receita fosfoetanolamina sintética para médico.

    As forças contrárias à liberação da Fosfoetanolamina Sintética – assim como qualquer outra substância que venha curar o câncer – são gigantescas.

    Nos links abaixo dois filmes mostrando o que aconteceu em casos similares nos Estados Unidos:

    https://www.facebook.com/samuelsuntuosogalvaode.tavares/posts/188447011535915
    e
    https://www.facebook.com/samuelsuntuosogalvaode.tavares/posts/188447594869190

    BURZYNSKI – O FILME (O CÂNCER É UM GRANDE NEGÓCIO)
    e
    CANCRO – AS CURAS PROIBIDAS.

    Aqueles Juízes que negarem o pedido de concessão da FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA fiquem sabendo que se o paciente vir a morrer por conta do câncer todos acharemos que a culpa foi de quem negou o pedido.
    “Ah, mas não sabemos se a substância funciona nem se ela vai fazer mal ao paciente/requerente !”. MAS ISSO NÃO É PROBLEMA SEU, SENHOR JUIZ. ISSO É PROBLEMA DO PACIENTE/REQUERENTE.
    Quer saber qual será o seu problema, seu Juiz ? O seu problema será negar o pedido e a substância vir a funcionar contra o câncer, mas como o pedido foi negado, o paciente morrer da doença ! ESSE SIM SERÁ O SEU PROBLEMA, A SER DEBITADO EM SUA CONSCIÊNCIA. Essa sim será uma conta que o senhor terá que ajustar ‘lá em cima’. E quem tem muitas contas para ajustar ‘lá em cima’ começa por aqui mesmo na terra a sofrer os efeitos dessa carga negativa: tropeços na vida, infelicidades, falta de paz de espírito, intranquilidade, consciência carregada e tudo o mais. Uma vida infeliz, resumidamente.
    E saiba lá Deus onde estará ‘o canceroso já morto’ enviando lá de cima quê tipo de vibração para o Juiz que lhe negou o direito à vida aqui na terra.

    E todos esperamos que nenhum desses juízes, nem ninguém de sua família, venha ter um câncer nem morrer por causa dele. Porque, assim como foi negado ao requerente/paciente a substância, nenhum juiz encontrará outro que lhe conceda a dita substância.

    Finalmente, sobrevindo a morte do paciente/requerente que teve o pedido de concessão da FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA negado, vamos enviar aos Juízes e Desembargadores que negaram o pedido cópia do ATESTADO DE ÓBITO, autenticada em cartório, para que seja emoldurada e colocada em local visível na residência do magistrado, lembrando a eles para quando mandarem emoldurar não deixarem que a moldura do quadro cubra o selo nem o carimbo do notário. Se o câncer for em nós próprios e se por conta dele viermos a morrer, vamos fazer com que nossa família envie aos Juízes e Desembargadores que negaram o pedido a cópia de nossos próprios ATESTADOS DE ÓBITO, nas mesmas condições.

    E você, que está aí de espectador !
    Cuidado para não se transformar em papagaio num tiroteio.
    Ou você acha que nunca terá CÂNCER, nem ninguém de sua família, nem seus pais, nem sua pessoa amada, nem seu melhor amigo, nem seus filhos sofrerão disso ?
    Esse pode ser o seu erro. A hora é essa. Depois não chore sobre o leite derramado.
    Já imaginou seus filhos morrendo de CÂNCER antes de você ?
    Vamos lhe rogar uma praga: que você – espectador cético e um verdadeiro “papagaio num tiroteio ” – em razão do câncer, ainda seja salvo pela FOSFOETANOLAMIMA SINTÉTICA.
    Não seja um papagaio num tiroteio !

    ANVISA quer peitar e falar mais alto do que o Parlamento.
    Se ela não se enquadrar, IREMOS DEFENDER ALTERACOES PROFUNDAS NA AGÊNCIA, inclusive alterando o ministério de vinculação, passando ela a integrar o Ministério da Agricultura, que já cuida da vigilância fitossanitária.

    Hoje os CRM’s podem proibir a prescrição da Fosfoetanolamina sintética.
    Mas depois de publicada a lei que irá liberar a Fosfoetanolamina sintética não poderão proibir. Depois que a lei for publicada os médicos poderão receitar livremente a FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA.
    Caso os CRM’s venham proibir a receita da FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA mesmo depois de publicada a lei que libera a substância, o Ministério Público Federal poderá ajuizar dois tipos de ação: uma ANULATÓRIA contra o CRM para anular a resolução que contrariou a lei, e uma AÇÃO CIVIL PÚBLICA contra aqueles conselheiros do CRM que votaram a favor da resolução ilegal, inclusive com pedido de INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL COLETIVO a ser paga por cada um desses conselheiros rebeldes que desobedecerem a lei.
    Entre a LEI e os CRM’s os médicos estão obrigados a obedeçerem a lei.
    Ou alquém acha que vai reinventar a roda ?

Participe do debate. Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: