fbpx
Lombriga aumenta fertilidade das mulheres, diz estudo

Uma infecção causada por um conhecido verme parasita aumenta a fertilidade da mulher, afirmam cientistas. Um estudo realizado com 986 índias na Amazônia boliviana concluiu que aquelas que tinham infecção permanente por Ascaris lumbricoides, ou lombriga, tiveram dois filhos a mais do que aquelas sem a doença. Também registraram menor tempo entre as gestações e a primeira gravidez em idade menor.

Em artigo publicado na revista especializada Science, pesquisadores sugerem que o parasita, que pode alcançar até 36 cm de comprimento, altera o sistema imunológico para facilitar a gravidez.

Assim como os fetos, os parasitas são considerados intrusos por esse sistema, e estimulam estratégias de tolerância imunológica para não serem atacados pelo próprio organismo.

Os resultados da investigação podem levar a novos medicamentos usados em tratamentos de infertilidade, concluem.

Em média, as famílias das mulheres da etnia tsimané possuem nove crianças. E cerca de 70% da população possui infecção provocada por vermes parasitas.

Efeito oposto

Mas enquanto o Ascaris lumbricoides elevou a fertilidade no estudo, que levou nove anos, vermes nematódeos, como os causadores da ancilostomose (ou amarelão), causaram o efeito oposto – três filhos a menos ao longo da vida.

Um dos autores do estudo, Aaron Blackwell, da Universidade da Califórnia Santa Bárbara, disse que os efeitos identificados são “inesperadamente grandes”.

Segundo ele, o sistema imunológico da mulher muda naturalmente durante a gravidez, para evitar a rejeição ao feto, e algo semelhante ocorre na presença da lombriga.

“Acreditamos que os efeitos que notamos provavelmente se devem a essas infecções alterando o sistema imunológico das mulheres, de modo a torná-las mais ou menos receptivas à gravidez.”

Blackwell diz que o uso de parasitas como tratamento de fertilidade é uma “possibilidade intrigante”, mas diz que é preciso mais pesquisas “antes que possamos recomendar qualquer pessoa a tentar isso”.

Rick Maizels, especialista em vermes parasitas e sistema imunológico da Universidade de Edimburgo, considerou “horrível” a descoberta dos efeitos negativos das infecções por nematódeos sobre a gravidez. “Metade das mulheres de 26 a 28 anos ainda não engravidaram, e isso tem um impacto enorme na vida.”

Ele acredita que esses vermes também possam estar estimulando infertilidade porque causam anemia.

Surpresa e futuro

Allan Pacey, especialista em reprodução humana da Universidade de Sheffield, disse que a descoberta da relação entre infecção por lombriga e fertilidade é “surpreendente e intrigante”.

Segundo ele, drogas já foram empregadas para alterar o sistema imunológico da mulher e tentar elevar a possibilidade de sucesso em fertilizações in vitro, mas os resultados não foram satisfatórios.

“Não gostaria de sugerir que mulheres tentem se infectar com parasitas para elevar a fertilidade, mas estudos complementares sobre a imunologia de mulheres que possuem lombrigas podem levar a novas drogas para tratamento da infertilidade”.

Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Deixe uma resposta