Luz misteriosa em floresta na Alemanha muda rotina da vida dos moradores

Acostumada com o ceticismo alemão, surpreendi-me recentemente ao abrir o jornal. Uma reportagem investigava o caso de uma luz misteriosa que aparece de noite na floresta da região de Brieselang, município cerca de 30 quilômetros a oeste de Berlim.

Enquanto no Brasil, extraterrestres, assombrações e aparições fazem parte do imaginário popular, aqui, o sobrenatural ter muita atenção. Mas a luz misteriosa havia conseguido um espaço na mídia. Quem viu a tal luz a descreve como um círculo luminoso entre as árvores do bosque que desaparece da mesma forma que surge: de repente.

Os primeiros relatos sobre a luz são da década de 1980. De para lá pra cá, várias explicações sobre o fenômeno surgiram: alguns dizem que é o fantasma de uma menina de 12 anos que foi assassinada na região, outros afirmam que são extraterrestres e há ainda aqueles que argumentam que se trata de um fenômeno natural: a região seria um pântano que foi drenado, e os gases ainda armazenados no local produzem o brilho ao entrar em contato com o oxigênio.

Essa última explicação me lembrou do boitatá, a cobra de fogo que protege campos e florestas no Brasil. A lenda teria também surgido a partir de um fenômeno natural, a combustão do fósforo branco, originado na decomposição de ossos de animais. Seria a tal luz o boitatá alemão, protetor dos bosques locais?

Voltando a Brieselang, o fato é que a aparição da luz começou a atrair curiosos para a região e alguns casos de assombração foram parar na polícia. No ano passado, por exemplo, um carro que estava estacionado na floresta com observadores do fenômeno foi cercado por mascarados armados com machados. Posteriormente, foi descoberto que o ataque era apenas uma brincadeira de jovens da região, que se divertiam assustando os caçadores do brilho.

A invasão de curiosos também incomoda os moradores do pacato vilarejo de 11 mil habitantes. Há reclamações sobre forasteiros que tiram da cama os locais só para pedir indicação de onde podem encontrar a luz. Muitos dos habitantes de Brieselang também contestam a existência do mistério, pois, apesar de viverem na região, jamais viram a tal luz.

LEIA A HISTÓRIA COMPLETA NA COLUNA Checkpoint Berlim, de Clarissa Neher, que é jornalista freelancer na DW Brasil e mora desde 2008 na capital alemã.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta