Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

MAB ocupa Eletrobras em protesto contra alta tarifa de energia, em RO

0

Movimento reivindica fornecimento de energia a comunidades distantes. Militantes também reclamam de problemas causados por usinas hidrelétricas

Baixe nosso aplicativo para celular Baixe nosso aplicativo para celular Cerca de 300 integrantes do Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB) estão ocupando, desde a manhã desta terça-feira (10), as dependências da Eletrobras Distribuição de Energia, em Porto Velho, para protestar contra o aumento da tarifa de luz e reivindicar o fornecimento de energia a comunidades distantes. Segundo o movimento, a ocupação segue até que haja acordo entre o movimento e as partes envolvidas. Os funcionários que trabalham na sede da Eletrobras foram liberados por questão de segurança e a companhia prometeu ouvir as reivindicações, para encaminhar os pedidos aos setores e órgãos competentes.

No início da manhã, os manifestantes começaram a acampar na sede da distribuidora e mais dois ônibus com integrantes do MAB estão previstos para chegar ainda nesta terça e ocupar a empresa. Entre os militantes, estão moradores de Candeias do Jamari e dos distritos de Triunfo e Itapuã do Oeste atingidos pelas obras da Usina Hidrelétrica de Samuel, no Rio Jamari, além de famílias do Alto e Baixo Madeira afetadas pelas construções de usinas no Rio Madeira.

O principal objetivo do protesto é pedir a redução da tarifa de energia cobrada das comunidades Alto e Baixo Madeira e instaladas ao longo da BR-364. Mas, segundo o militante João Marcos Dutra, a ocupação na Eletrobras também tem como meta fazer com que as reivindicações cheguem até o Ministério de Minas e Energia, que controla a companhia por meio da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), já que a pasta fiscaliza também as obras das usinas hidrelétricas.

Dutra diz que há mais de mil famílias atingidas pela usina de Samuel que não tiveram reassentamento garantido e estão sem terra e sem acesso a energia elétrica. “Moro atrás de uma usina hidrelétrica e pago caro pela energia. Essa obra é para outros estados do país, não para nós”, protesta a dona de casa Alzira Ferreira dos Santos, que se diz atingida pela usina de Samuel.

Já entre os atingidos pelas Usinas Hidrelétricas Santo Antônio e Jirau, instaladas no Madeira, há pescadores que tiveram as atividades interrompidas e famílias remanejadas para áreas, segundo elas, improdutivas. O MAB denuncia ainda que há atingidos sem água potável porque o lençol freático do local para onde foram realocados estaria contaminado. “A gente não quer que as empresas privadas roubem o nosso rio, gerem lucro com a energia e deixem os problemas para o estado resolver”, finaliza Dutra.

O diretor-presidente da Eletrobras em Rondônia, Luiz Marcelo Reis de Carvalho, disse que a empresa vai ouvir as exigências dos manifestantes e comunicar os setores da empresa e órgãos competentes, além das usinas. De acordo com o diretor, entre os pontos reivindicados, apenas os pedidos de redução de tarifa e fornecimento de energia têm ligação com a distribuidora, o restante é relativo às usinas. “O movimento até agora é pacífico e nossos trabalhos continuam sem nenhum problema de atendimento à população”, informou Luiz Marcelo.

A Energia Sustentável do Brasil, concessionária da Usina Hidrelétrica Jirau, informou que o Programa de Remanejamento das Populações Atingidas está sendo executado conforme determinação dos órgãos fiscalizadores. Quanto ao reassentamento das comunidades afetadas, a empresa diz que os moradores já estão nos novos locais há pelo menos quatro anos e encontram-se adaptados aos novos endereços, além de receberem assistência técnica e o acompanhamento necessário.

Já a Santo Antônio Energia alegou que respeita a manifestação, mas acredita que não exista relação entre as reivindicações e a empresa, já que “todas as exigências estabelecidas nos estudos que nortearam a implantação e operação da hidrelétrica foram atendidas e os documentos que comprovam isso, entregues aos órgãos fiscalizadores”.

O Ministério de Minas e Energia, não respondeu as solicitações de entrevista sobre o tema.

Comentários
Carregando