Maioria das profissionais brasileiras não volta após licença-maternidade

In Brasil
Espalhe essa informação

A maioria das profissionais brasileiras não retorna ao trabalho após a licença-maternidade, de acordo com pesquisa global realizada pela Robert Half com 1.775 diretores de recursos humanos de 13 países, sendo 100 brasileiros.
No Brasil, 85% das empresas responderam que menos da metade de suas funcionárias retorna à vida profissional após o nascimento de seus filhos. A taxa é bem mais alta que a média global – 52% das companhias ouvidas em todo o mundo relataram o mesmo problema.

Em relação às mulheres que ocupam cargos de gestão, a taxa de retorno ao trabalho é mais alta. Apenas 37% das companhias brasileiras responderam que a volta ao trabalho fica abaixo de 50%, enquanto 63% relataram que o índice é superior a 50%.
Para Daniela Ribeiro, gerente sênior das Divisões de Engenharia e Marketing e Vendas da Robert Half, a diferença entre os percentuais de retorno entre a média das profissionais e as mulheres em cargos gerenciais se dá pelo fato de que aquelas que ocupam posições mais altas possuem um perfil mais dinâmico e não conseguem se imaginar fora do mercado. “Para a mulher é mais difícil alcançar um cargo de liderança e quando o alcançam não querem desistir dessa conquista. A questão financeira também é um fator importante, pois essas profissionais possuem uma remuneração mais alta e relevante para o orçamento familiar”.

Quando questionados sobre as políticas de retenção de suas funcionárias, os diretores de recursos humanos brasileiros mencionaram os planos de saúde e dentários (41%), o trabalho remoto (39%) e os horários flexíveis (29%) como os mais populares.

Na prática, porém, as iniciativas de trabalho em tempo parcial ou com flexibilidade de horário ainda não são tão frequentes nas empresas: 31% dos diretores brasileiros responderam que essas ações são comuns ou muito comuns. Essa taxa está bem abaixo da média global, que ficou em 68%. Para Daniela, esse percentual reflete entraves da legislação brasileira. “Ao mesmo tempo, as companhias ainda são conservadoras quando se trata de jornada e horário de trabalho”, afirma.

 

Fonte:G1

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!

You may also read!

Torcedor fanático tatua camisa do Flamengo em tamanho real

Torcedor fanático tatua camisa do Flamengo em tamanho real

Espalhe essa informação Identificado como Maurício, o morador de Joinville (SC) passará por 15 sessões para terminar o trabalho.

Read More...
Documentos da Odebrecht guardados na Suíça chegam ao Brasil

Documentos da Odebrecht guardados na Suíça chegam ao Brasil

Espalhe essa informação Segundo delatores e investigadores, o servidor traz registros de pagamentos para a campanha de Dilma Rousseff

Read More...
Passageira com bebê no colo é agredida por comissário da American Airlines dentro de avião; vídeo

Passageira com bebê no colo é agredida por comissário da American Airlines dentro de avião; vídeo

Espalhe essa informação O funcionário da American Airlines também chamou um outro passageiro para a briga. A companhia diz

Read More...

Deixe uma resposta

Mobile Sliding Menu