fbpx
Mariana Carvalho avalia se disputa prefeitura de Porto Velho

Alvo

Três prefeituras rondonienses estão tendo os seus contratos e convênios investigados e seus dirigentes podem virar alvo dos órgãos de controle, com consequências nada alvissareiras. A coluna apurou que em uma delas, por exemplo, há indícios fortes de malfeitos, embora o ritmo administrativo seja lento. Imagine se fosse arrojado…

Inteligência

A operação da polícia civil estadual que prendeu uma quadrilha de narcotraficantes na região central de Rondônia é sinal de que voltamos a ser um corredor importante na rota do tráfico. Isto explica o aumento desenfreado da violência em nosso estado e, a operação, feita pela polícia estadual, indica que a instituição adotou a inteligência como ferramenta importante de investigação. Também revela que não está inerte à escalada da violência num governo onde nada funciona na velocidade que a população almeja.

Cemitério

A prefeitura de Porto Velho é conhecida nos bastidores políticos como o terreno mais fértil para que os políticos enterrem pretensões maiores na vida pública. Razão pela qual muitos pretendentes a suceder o desastroso prefeito Mauro Nazif estão receosos a anunciar em seus partidos a disposição de encarar a disputa em 2016.

Receio

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB), parlamentar mais votada na capital, ainda não decidiu se disputa a prefeitura, receosa dos entraves administrativos, e avalia com mais cautela a candidatura. Apesar de ser a mais forte concorrente.

Abreviação

Os municípios em geral passam por uma crise sem precedentes, mas em Porto Velho, particularmente, a situação é muito grave devido ao volume de obras inacabadas, de incompetência e de demandas judiciais que paralisam qualquer administração. Não é à toa que é conhecida como cemitério de político. Mariana tem razão em avaliar bem antes de decidir para não abreviar a carreira. Embora os asseclas pressionem para que assuma a candidatura imediatamente.

Zumbi

Quem também reza para que Mariana Carvalho opte por ficar fora da disputa é o prefeito Mauro Nazif. Desgastado e sem um discurso para convencer o eleitor da capital a lhe conferir mais quatro anos no paço municipal, Nazif é um zumbi político numa cidade sob escombros. Está num mandato fantasmagórico que provoca horror no mais incrédulo eleitor.

Efeito

O efeito da paralisia nos municípios vai influenciar nas eleições municipais de 2016. Em Rondônia, por exemplo, a maioria dos prefeitos está mal avaliada e muitos deles vão ser derrotados nas candidaturas de reeleição. Porto Velho, Ariquemes, Jaru, Ouro Preto, Médici, Guajará-Mirim, Cacoal, Rolim de Moura, Vilhena, entre outros, possuem administrações capengas, além dos problemas com os órgãos de controle que tendem a derrubar ainda mais os percentuais de avaliação.

Escândalo

O projeto de lei complementar 16/15, de autoria do Governo do Estado, enviado para aprovação na Assembleia Legislativa, é escandaloso porque não melhora o funcionamento da máquina administrativa nas áreas de saúde, educação e segurança, conforme justificou o senhor secretário de planejamento, George Braga. O projeto de reestruturação apenas concentra cargos comissionados em setores cruciais à administração que são altamente organizados do ponto de vista das demandas corporativas e, com a nova nomenclatura organizacional, é possível aliviar a barra com nomeações. Ademais, não indica concretamente melhora nos serviços públicos. Um escandaloso instrumento de manipulação política e os apadrinhados agradecem.

Renúncia

Cesar Cassol(PP) anunciou ontem a renúncia ao cargo de prefeito do município de Rolim de Moura, embora a coluna tenha antecipado há quinze dias a decisão. Ao assumir Cesar tomou várias decisões impopulares, mas o desgaste aumento na medida que foi se ausentando da administração e se esquivando em resolver os problemas. É hoje o prefeito mais impopular da história de Rolim de Moura. A renúncia foi um ato de dignidade.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta