Maternidade tem recomendação para não usar método indevido em partos

Recomendação foi feita pelo MPF e MP-RO à Maternidade de Porto Velho.

O Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público de Rondônia (MP-RO) recomendaram à Maternidade Municipal Mãe Esperança, em Porto Velho, que não seja mais usada nos partos a manobra de Kristeller, que é a pressão feita sobre a barriga da mãe para forçar a saída do bebê. O método, segundo o órgão, é prejudicial à mulher e ao bebê e considerado inadequado pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial de Saúde.

O MPF investiga um caso na capital que envolve o uso da manobra de Kristeller. As investigações iniciaram após uma denúncia de uma mulher que teve o parto no final de 2015.

Na recomendação, o Ministério Público cita que o próprio Ministério da Saúde e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) publicaram o ‘Guia dos Direitos da Gestante e do Bebê’. No documento, segundo o órgão, fica claro que “não se deve jamais empurrar a barriga da mulher para forçar a saída do bebê (manobra de Kristeller), porque isso expõe a mulher e o bebê a riscos”.

Em 2011, o Ministério da Saúde publicou uma portaria em que instituiu a Rede Cegonha, com o objetivo de promover diversos cuidados à mulher grávida, desde o pré-natal ao parto humanizado, e também atenção ao recém-nascido, conforme a recomedação.

Muryllo F. Bastos é advogado, editor do site e Painel Político. Natural de Vilhena.

Deixe uma resposta