fbpx
Maurão sugere baixar a pauta do boi e da vaca para venda a outros Estados

 

Preocupado com os prejuízos que os criadores de gado em Rondônia estão enfrentando, com a formação de um suposto cartel por parte dos frigoríficos, que fazem uma política de manipulação de preços, o presidente da Assembleia Legislativa, Maurão de Carvalho (PP) tomou a iniciativa de sugerir ao Governo que altere a pauta do boi.

“Com essa redução na pauta do boi gordo e da vaca, o produtor poderá vender seu gado fora de Rondônia, obtendo preços mais justos e deixando de ficar refém dos frigoríficos rondonienses, que a cada dia baixam mais o preço na arroba da carne”, destacou Maurão.

A sugestão, encaminhada ao governador Confúcio Moura (PMDB) é de que a pauta do boi seja reduzida de R$ 1.900,00 para R$ 500,00 por cabeça. Já a vaca seria diminuída dos atuais R$ 1.400,00 para R$ 400,00.

“Com essa medida o Estado vai arrecadar mais, pois passará a receber 12% de ICMS sobre esse valor da venda, que deverá aumentar para outras unidades da Federação. Ou seja, de cada boi vendido, serão R$ 60,00 de ICMS recolhidos aos cofres do Estado e ainda assim o produtor sairá ganhando”, explicou o parlamentar.

Maurão informou que, enquanto em Rondônia, que tem uma das melhores carnes do país, os frigoríficos estão comprando a arroba do boi de R$ 117,00 a R$ 120,00, em São Paulo o preço da arroba é de R$ 154,00. “A perda por arroba é superior a R$ 30,00. Ou seja, em duas arrobas apenas o valor cobrado do imposto já compensou e o restante é lucro”.

O deputado disse que os frigoríficos foram beneficiados com isenção fiscal que chega a até 85% do imposto. “Mas, em contrapartida eles manipulam os preços e causam prejuízos aos criadores e também ao consumidor, pois o preço da carne no açougue não diminuiu”.

A Assembleia Legislativa já colheu assinaturas para a instalação de uma CPI que vai apurar a existência de um cartel por parte do setor frigorífico.

Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Deixe uma resposta