Médicos ganham sem atuar por falta de registro

Os ministros da Saúde, Alexandre Padilha, e da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, afirmaram nesta terça-feira (8), após reunião com líderes da base governista na Câmara, que a demora dos conselhos de medicina para conceder registro provisório a estrangeiros faz com que 300 de 600 médicos de outros países estejam ganhando sem trabalhar.

 

Os dois ministros foram à Câmara para pedir que a medida provisória do programa Mais Médicos seja aprovada nesta terça conforme a versão votada na comissão especial que tratou do assunto no Congresso. Se aprovada pelo plenário da Câmara, a MP seguirá para o Senado.

 

A comissão incluiu no texto original do governo um artigo que dá ao Ministério da Saúde a autorização para conceder registros provisórios a médicos estrangeiros. Atualmente o registro é concedido pelos conselhos regionais de medicina, que têm resistência ao programa.
“Dos mais de 600 médicos que vieram de outros países, mais da metade está sem registro pelos conselhos regionais de medicina. Ou seja, já estão no município, já estão recebendo ajuda financeira e já poderiam estar atendendo a população”, afirmou Ideli.
Os profissionais que ingressam no Mais Médicos recebem uma bolsa de R$ 10 mil por mês. De acordo com o ministro Alexandre Padilha, os 300 selecionados que ainda não possuem registro já foram avaliados e entregaram a documentação necessária aos conselhos.
Segundo ele, a nova versão da MP prevê que a função de fiscalizar a atuação dos médicos continuará a pertencer aos conselhos regionais.
“Eles já estão nos municípios, já estão recebendo a bolsa do primeiro mês, mas não podem exercer plenamente a atenção básica. Para acelerar isso, a comissão especial passou para o ministério a obrigação de dar o registro, sem tirar a competência de fiscalização do conselhos regionais”, afirmou.
O ministro também voltou a destacar que o médico estrangeiro participante do Mais Médicos só pode atuar no âmbito do programa, exercendo a medicina pelo Sistema Único de Saúde em regiões pobres do país.
“Não podem atender em clínica privada, em hospital, dar plantão fora. Só podem atuar no centro de saúde das áreas mais pobres do pais. Como esse médico não vai ter o CRM, vai ter um registro do programa, fica mais fácil para fiscalizarmos [e impedir] que esse médico não possa atuar em outro lugar.”

Fonte: G1

Deixe sua opinião via Facebook abaixo!
Anterior «
Próximo »

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

  • twitter
  • googleplus

1 Comentário

  1. biometria-digital-online-internet-ao mesmo tempo que aparece na=rece pção=local=apareça na=internet=para evitar=dedos=siliconados=e
    para evitarem de trabalharem em=10=dez=lugares-diferentes-mas-no mesmo-instante e para facilitar ao máximo mas todos os tipos variações
    de=funcionários-fantasmas-corrupções-sonegações-negociatas-etc-evitam ao máximo tudo que se refere á=biometria-digital=em pleno 03ºmilenio-nos municípios estados quintos mundos corruptos-mindingos-
    =
    pois são servidores públicos são empregados mas de todos os cidadões bra sileiros eleitores brasileiros são pagos=diretos=indiretamente=pelos bolsos de cada cidadão brasileiro-impostometros-tesouronacional-bndes-etc
    =
    da mesma forma que todos os políticos e todos os que vivem no meio políti
    cos são também servidores públicos são gestores públicos administradores
    públicos gerentes públicos síndicos zeladores etc mas só aonde
    tem-direto-indiretamente-úm único centavinho público-impostômetros-riquezas-recursos-naturais então na verdade todos os políticos sem exceção são empregados de todos os cidadões brasileiros
    =
    os quais, políticos deveriam sim sempre-darem-prestação de contas-parecer-á
    todos os seus-patrões-etc-e localmente fazerem tudo com=1000%transparencia=1000%democracia-participativa-mas obviamente com a
    participação de todos ali-cidadões-eleitores-localmente-etc-e isto é o que
    sempre evitou evita ainda os políticos dos municipios estados quintos mundos
    corruptos mindingos etc
    =
    eis a principal diferença em ser ou não-primeirissimosmundos em todos os
    sentidos direções-pois nos países primeiríssimos mundos, tudo é transparência
    democracia participativa sempre tendo ou não tendo-eleições-diretas-indiretas-colégio-eleitoral-parlamentarismos-monarquias-absolutas-constituicionais
    =
    e sendo nações antigas novas pequenas gigantescas em território população
    matérias eou com-altissimos-baixissimos-impostometros-cargas-tributárias-etc-como é tudo na-austrália-eua-canadá-dinamarca-noruega-japão-coréiadosul-singapura-islandia-etc-
    =
    pois todos os políticos são empregados de todos os cidadões brasileiros inclusive todos os seus cargos políticos de confiança-secretários-ministérios-e até mesmo os juízes do-stf-stj-cnj-tse-etc-tudo e todos então daqui prá frente 03ºmilenio
    século-xxi-cada cidadão brasileiro coletivamente-municipal-estadual-federal tem
    que agir como os cidadões=coleti vamente=dos países primeirississimos mundos,
    os anglo-saxões, os judeus, os nórdicos, etc-
    =

Deixe uma resposta

Direto de Brasília