Médicos que atuam na rede pública de RO temem boicote de pacientes por parte do Hospital do Câncer

Hospital não atenderia pacientes cujos procedimentos foram iniciados no Hospital de Base; Hospital do Câncer rebate

Brasília – Médicos que atuam no Hospital de Base Ary Pinheiro (HB) em Porto Velho (RO) temem que os pacientes de câncer, cujos procedimentos iniciais foram realizados no HB, sofram boicotes quando forem procurar o Hospital do Câncer de Barretos, que segundo eles alega que “o paciente não seguiu o protocolo do Hospital do Câncer”.

De acordo com os profissionais, o Hospital do Câncer está querendo estabelecer um monopólio no tratamento, e isso seria extremamente prejudicial a todos os envolvidos, pacientes, médicos e profissionais da área de saúde, “se o Estado também pode atender, porque deixar apenas uma unidade fazer isso?”, questiona um médico.

Atualmente o Hospital de Base atende os pacientes com um equipamento de radioterapia acelerador linear. Um médico explicou que “se operar um paciente de câncer de próstata e ele necessitar de tratamento suplementar feito pelo Hospital do Câncer, ele poderá ser rejeitado por não ter seguido o protocolo de Barretos”.

O diretor do Hospital do Câncer de Barretos em Rondônia, Jean Negreiros afirmou que o procedimento na instituição respeita o “ciclo completo”, ou seja, eles acompanham do diagnóstico ao tratamento final, “nosso trabalho tem começo, meio e fim, por isso é complicado muitas vezes, termos que resolver situações em que pacientes chegam encaminhados de outras instituições com problemas. É bom lembrar que as pessoas só observam o último procedimento, ou seja, se o doente morre em nosso hospital, ninguém questiona o que aconteceu antes”, detalhou o diretor.

O Hospital do Câncer trabalha, segundo explicou Negreiros, em parceria com o Hospital de Base, “nós temos acompanhado pacientes aqui no Barretinho (nome da unidade que funciona anexa ao HB) e vamos poder fazer mais quando estivermos com o hospital da Amazônia concluído.

Impasse

No último fim de semana, o pecuarista Henrique Prata (foto de capa), que preside a Fundação Pio XII, responsável pelo Hospital do Câncer de Barretos acusou a deputada federal Marinha Raupp de estar “atrapalhando o credenciamento do Hospital junto ao Ministério da Saúde, para receber recursos do Sistema Único de Saúde em prol de uma clínica de Porto Velho”. Nesta quarta-feira, Henrique Prata está em Brasília onde vai protocolar, segundo ele, “provas contra a clínica, que seria responsável por causar danos irreversíveis em alguns pacientes”.

O Ministério da Saúde, de acordo com as normas, só pode credenciar unidades de alta complexidade que estejam em funcionamento, e já garantiu que vai credenciar o HCB.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta