Meditação e música podem reverter perda de memória precoce em adultos

Veja os benefícios da meditação como método natural para lidar com problemas de memória e ficar de boas.

Perda de memória precoce em adultos por volta dos 50 anos não é tão difícil de acontecer. Entretanto, existem práticas deboístas que podem ajudar a combater o problema ou mesmo evitá-lo. Um estudo recente provou que praticar meditação ou escutar música durante um tempo específico pode auxiliar.

A pesquisa, liderada pelo Dr. Kim Innes, da West Virginia University, escolheu aleatoriamente pessoas para entrevistar, a fim de analisar quantos adultos sofrem com perda de memória. 60 indivíduos foram avaliados com declínio cognitivo subjetivo (DCS), uma condição que representa um estágio considerado anterior ao Alzheimer.

As funções afetadas pela perda de memória seriam a atenção, velocidade de processar informações e função da memória subjetiva, que antecedem a demência. Como forma de evitar esse estado de saúde, praticar meditação para iniciantes (Kirtan Kriya) ou escutar música durante 12 minutos por 12 semanas foram indicados pelo médico.

Como detalhado em um documento recentemente publicado no Journal of Alzheimer’s Disease, ambos os métodos mostraram eficiência na melhora da memória e da cognição em três meses. Os ganhos observados foram mantidos ou melhorados, ainda mais, seis meses depois. Os grupos também mostraram melhoria no sono, humor, bem-estar e qualidade de vida.

Meditar e cantar

A meditação Kirtan Kriya utiliza sons antigos – e é conhecida por ser praticada para melhorar a atenção, concentração, memória recente e o humor dos adultos. A prática usa o mantra “Sat Nam” , que significa “minha verdadeira essência”, baseado nos sons como Sa, Ta, Na, Ma— e traduzido como nascimento, vida, morte e renascimento.

Como praticar o mantra

Repita os sons do mantra sentado com a coluna ereta e os olhos fechados. Imagine o som fluindo pela ponta de sua cabeça e saindo pelo meio da sua testa.

Por dois minutos, cante com sua voz normal.

Por mais dois minutos, cante cochichando.

Durante o restante dos minutos, fale os sons sileciosamente para si mesmo.

Depois, inverta a ordem, cochichando de novo por dois minutos e falando alto por mais dois, por um total de 20 minutos.

Para finalizar o exercício, inspire profundamente , coloque as mãos acima da cabeça e depois abaixe-as vagarosamente conforme você expira.

A ideia da meditação é bacana não só para quem já tem problemas de memória, mas também para relaxar depois de um dia estressante e ficar de boas. Além disso, se a família tiver histórico de Alzheimer ou alguma outra doença relacionada à memória, a prática é muito indicada!

News Reporter
Muryllo F. Bastos é advogado, editor do site e Painel Político. Natural de Vilhena.

Deixe uma resposta