fbpx
A megafeira de armas realizada na Flórida 4 dias após massacre em escola

Apenas quatro dias após um ex-aluno matar 17 pessoas a tiros em uma escola na Flórida, o Estado americano foi palco de uma megafeira de armas com modelos de todos os tipos acessíveis e demanda aquecida principalmente pelo AR-15, o fuzil usado por Nikolas Cruz, de 19 anos, naquele que é considerado um dos piores massacres na história recente dos Estados Unidos.

O Flórida Gun Show (“Show de armas da Flórida”, em tradução literal) ocorreu neste fim de semana em Miami, a apenas uma hora de carro da Escola Stoneman Douglas, na cidade de Parkland, onde Cruz abriu fogo contra estudantes e professores na semana passada supostamente em retaliação por ter sido expulso da escola. Ele foi preso e apresentado como responsável pelos assassinatos.

“Vão mesmo fazer uma feira de armas hoje, depois do que aconteceu? Que loucura!”, exclamou um motorista de táxi, que dizia não “acreditar no que estava vendo.”

Há semanas o evento era promovido em anúncios publicitários, com grandes outdoors espalhados ao longo da extensa rede rodoviária do condado de Miami-Dade, um dos 67 da Flórida.

Placa anuncia feira de armas
Anúncios do evento estão espalhados há semanas pelas ruas de Miami | Foto: Guillermo D. Olmo/BBC Mundo

O site da feira prometia aos visitantes que eles “desfrutariam de uma enorme exibição de armas de fogo, munições, carregadores, facas e muito mais”.

Ao lado da entrada, uma folha em preto e branco oferecia esclarecimentos.

“Queremos fazer uma homenagem à cidade de Parkland, especialmente aos alunos e professores da escola, que foram mortos sem sentido. Não pretendemos faltar com respeito nem com sensibilidade com este evento, planejado durante tanto tempo”, dizia a nota.

Jovens fazem homenagem às vítimas do massacre na FlóridaDireito de imagemREUTERS
Jovens prestando homenagens às vítimas do massacre de Parkland: feira foi realizada a cerca de uma hora de carro do local

O texto também recomendava aos participantes tolerância diante de possíveis manifestações contrárias ao evento e acrescentava: “Nós exigimos e impusemos uma forte segurança”.

Mas, uma hora antes da abertura oficial do evento, a BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, acessou o local onde centenas de armas estavam armazenadas sem passar pelo controle de segurança, que só seria ativado mais tarde.

Participantes do Florida Gun ShowDireito de imagemAFP
Participantes da feira de armas em Miami: Organizadores disseram que a intenção com o evento não é faltar com respeito ou com sensibilidade a alunos e professores da escola onde houve o massacre

Crianças não pagam

As bilheterias abriram as 9h – e logo a feira começou a ferver.

A entrada custava US$ 13 (o equivalente a R$ 41). Crianças menores de 12 anos não pagavam.

Dentro do evento, um enorme mostruário de armas de fogo de diferentes tipos e calibres, miras telescópicas – acessórios parecidos com monóculos usados principalmente para tiros a longa distância -, roupas de camuflagem, facas, machetes e uma longa lista de acessórios de combate para o prazer dos amantes do chumbo.

A Segunda Emenda da Constituição dos EUA reconhece o direito dos americanos de carregar armas, o que para muitos é uma das marcas de identidade do país e uma das razões pelas quais o segmento vende tanto.

Feira de armas da Flórida
Pessoas brancas eram maioria entre os participantes do evento | Foto: Guillermo D. Olmo/BBC Mundo

Em meio à numerosa clientela que se aglomerava em torno dos mais de 600 mostruários de venda, havia alguns negros e hispânicos, mas quem predominava mesmo eram os homens brancos.

Alguns percorriam o local acompanhados de crianças. O que menos se via eram mulheres.

Tema de debate

Bill atendia em um dos pontos de venda ao lado de sua mulher, e tinha claro seu ponto de vista no debate sobre as armas, reaberto pelo último massacre escolar.

“O que aconteceu em Parkland é uma tragédia, mas a solução não é proibir as armas, mas sim que os cidadãos de bem possam se defender com elas de gente como Nikolas Cruz”, disse ele à BBC Mundo.

Armas expostas na feira da Flórida
A feira tinha armas de todos os tipos e calibres a venda | Foto: Guillermo D. Olmo/BBC Mundo

Bill gosta de Donald Trump e exibia orgulhoso uma camiseta de apoio ao presidente.

“Alguns não gostam dele porque ele não é um político ou um relações públicas, mas está ele conseguindo coisas”, afirmou.

A questão das armas é tema de intenso debate político nos Estados Unidos. Os democratas promoveram medidas de restrição à venda, mas os republicanos sempre as frustraram.

E se na época de Barack Obama eles fizeram valer sua maioria no Congresso, agora que com Donald Trump também controlam o Executivo, a resistência é dupla.

Isso, no entanto, não impede que muitos continuem a campanha em favor de um maior controle sobre a venda de armas.

Enquanto nesta parte da Flórida se celebrava a feira, aliás, em outra parte do Estado dezenas de vítimas e familiares exigiam leis mais severas em relação à venda.

Protesto exigindo mais controle na venda de armasDireito de imagemAFP
Parte da população é favorável ao porte de armas, enquanto outros protestam exigindo mais controle na venda

Mas a indignação pelos assassinatos de Parkland, por enquanto, acabou é melhorando as vendas.

Arma do massacre é a mais procurada

Não muito longe da banca de Bill estava o Pawn & Gun Shop, o negócio de Domingo Martin, filho de cubanos nascidos em Miami.

Ele explicou que a arma mais barata que poderia oferecer era uma pistola Jimenez, de calibre 22, que custava US$ 119 (R$ 383).

Mas o mais procurado ultimamente é o AR-15, fabricado pela Colt – o rifle usado por Cruz em seu sangrento ataque pela escola secundária não longe dali.

Mulher com cartaz anunciando promoção de rifles AR-15Direito de imagemAFP
A arma com maior demanda é o rifle AR-15, o mesmo usado no massacre de Parkland e em outros registrados nos EUA

“As pessoas o procuram muito porque temem que, depois do que aconteceu, a venda seja proibida”, explicou Martin.

“Os maiores de 18 anos podem comprá-lo legalmente, mas exijo que tenham 21”, ponderou à BBC.

O AR-15 é um velho conhecido do público americano.

Foi com uma arma desse tipo que Adam Lanza matou 20 crianças em 2012 na escola Sandy Hook, em Connecticut, e que, no mesmo ano, James Holmes deixou 12 mortos e dezenas de feridos em um cinema do Colorado durante uma exibição de um dos filmes da série Batman.

Feira de armas da Flórida
Exposição de armas na feira da Flórida: Evento é um dos principais realizados pelo segmento | Foto: Guillermo D. Olmo/BBC Mundo

Para os participantes da feira em Miami, entretanto, o problema não está nas armas, mas sim em criminosos com problemas psiquiátricos que fazem mau uso delas.

Foi essa tese que o presidente Donald Trump defendeu quando se referiu à tragédia de Parkland, e que Chris, jovem estudante universitário que percorre a feira do sul da Flórida, endossa.

“Mas em matéria de saúde mental, o governo poderia fazer mais do que está fazendo”, criticou à BBC Mundo.

Matar ou morrer

Em meio aos que empunham e examinam as armas à venda estava um imigrante colombiano identificado como Marco.

Ele tem dois rifles e uma pistola em casa. É sua parcela de contribuição ao incalculável arsenal doméstico norte-americano.

Homem segura arma na feira realizada na FlóridaDireito de imagemAFP
Participante da feira na Flórida: Massacres como o recentemente registrado, no geral, têm ajudado a aumentar as vendas de armas

Marco disse que a coisa começou com seu amor pelo tiro desportivo.

Mas, acrescentou: “nos Estados Unidos há muitas armas loucas, então, se eu tiver um filho, vou lhe ensinar a atirar para que possa se defender”.

Segundo ele, “neste país, fugir não é uma opção”.

De acordo com a contagem da organização Gun Violence Archive, que compila e divulga informações sobre violência relacionada a armas nos Estados Unidos, mais de 1.9 mil pessoas já morreram por ferimentos a bala apenas neste ano no país.

Marco prefere que seu filho seja um dos que matam a ser um dos que morrem.

Participante da Flórida Gun ShowDireito de imagemAFP
Para muitos americanos, o direito de possuir armas é ‘sagrado’

Além disso, para muitos dos participantes dessa exposição, as armas são muito mais do que máquinas de cuspir fogo, são a quintessência do espírito nacional.

E qualquer restrição representaria uma insuportável mutilação desse bem sagrado.

Foi o que explicou o encarregado de uma cadeia de lojas de armas chamada Shoot Straight Florid, preferindo não se identificar enquanto brincava com uma Smith & Wesson 5.56, uma das concorrentes do AR-15.

“Este é um país livre e não queremos ter policiais vigiando em toda a parte. Nós, americanos, temos de poder nos defender para que continuemos sendo uma democracia, e não acabarmos como a Rússia”, disse.

Muitos dos defensores desse direito ao porte de armas também costumam destacar que a maioria dos que as possuem nos EUA as utilizam de forma responsável.

Um assunto de liberdade

Eram 12h quando o show de armas vivia o horário de pico.

Vendedores e compradores fechavam acordos no ritmo frenético que caracteriza a acelerada economia dos EUA nos últimos anos.

Homens observam armas expostas na Flórida Gun ShowDireito de imagemAFP
Segundo dados da organização Gun Violence Archive, mais de 1,9 mil pessoas morreram por ferimentos à bala nos EUA em 2018

Alguns especialistas temem, inclusive, que essa economia superaqueça, assim como acontece com as metralhadoras quando são disparadas mais do que o necessário.

Mas isso não era algo que preocupasse a alguém na feira.

Em um canto entre cinturões de cartucho, facas e pistolas Beretta, um trio de veteranos do exílio cubano comentava acaloradamente assuntos da atualidade.

Eles tinham muitos anos e muito pouca fé na imprensa. Viram a mim como uma fonte potencial de “notícias falsas”.

Somente a credencial da BBC pareceu mitigar alguma desconfiança.

Um deles era Pedro Hernández, que se apresentou como agente aposentado do Departamento de Polícia de Miami.

“Agora não se pode falar sobre a questão das armas porque as emoções estão muito a flor da pele”, disse ele.

E logo revelou sua teoria sobre os verdadeiros motivos do alarme suscitado pela última chacina em uma escola.

Mão estendida exibe balas na Flórida Gun ShowDireito de imagemAFP
‘Nós, americanos, temos de poder nos defender para que continuemos sendo uma democracia’, disse um dos participantes da feira

“Os comunistas estão em toda parte e querem começar por acabar com nossa liberdade de usar armas para depois destruir todas as outras”, disse.

Nem Hernández nem muitos dos milhões de eleitores na republicana Flórida estão dispostos a permitir que mesmo esse primeiro passo seja dado.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Deixe uma resposta