Painel Político
A maior agência de notícias em seu Whatsapp do Brasil

Memes, a única instituição funcionando plenamente no Brasil

0

“Bem-vindo à sua fita, Michel Temer”, se lê em uma foto do presidente do Brasil com cara de poucos amigos e fones nas orelhas, como o protagonista de 13 Reasons Why. Marcela Temer atualizando seu perfil do Tinder diante da possibilidade de ficar solteira. Temer usando um vestido tomara que caia. Ned Flanders, o vizinho sensato de Os Simpsons, afirmando: “Deus está vendo que você está mudando a versão de ‘Tudo é culpa do PT’ por ‘É tudo farinha do mesmo saco”. E a reflexão mais importante do momento: “Adoro essa época do ano entre a Semana Santa e o Natal quando temos um impeachment”.

Quando o Brasil foi dormir nesta quarta, após um novo e gigantesco terremoto político que pode derrubar o segundo presidente em pouco mais de um ano e que promete enterrar politicamente um símbolo como Aécio Neves, reinava a incerteza com exceção de uma clareza: poucos povos fazem memes tão bem como o brasileiro. O Brasil, vencedor da Primeira Guerra Memeal, uma batalha virtual contra Portugal deflagrada em junho do ano passado, honrou sua supremacia mundial.

A torre que tira fotos ao lado de humanos que parece que vão cair
    A torre que tira fotos ao lado de humanos que parece que vão cair

A Internet foi reagindo em tempo real a cada sobressalto com uma piada atrás da outra, cada qual mais inspirada, até o ponto em que é provável que o dia de ontem se transforme em um dos mais importantes na história dos memes no Brasil. Foi uma terapia coletiva que demonstrou que se os memes fossem uma instituição, com certeza e ao contrário de outras, estaria funcionando perfeitamente.

A mente criativa que se encarrega de criar piadas novas com fotos velhas deu uma demonstração de força e deixou claro por que o país, além de ter uma capacidade infinita de rir de sim mesmo, tem um museu virtual de memes, patrocinado por uma universidade. Poderíamos dizer que o Brasil foi para cama na quarta-feira no escuro, pois nem sequer sabe quem irá governar o país daqui a seis meses, mas dá a impressão de que ninguém dormiu. Os brasileiros estavam com a barriga doendo de tanto gargalhar.

Não é que o brasileiro não se preocupe ao ver o país afundando, desacreditado pela sua elite política e empresarial. É que depois de sucessivos escândalos revelados pela Lava Jato já não se surpreende com nada. São três anos de convulsão. Nesse tempo vivenciaram um impeachment deflagrado por um homem que hoje está na prisão, a morte em um acidente de avião de um magistrado da República poucos dias antes de apresentar denúncias contra os mais poderosos do país, a ascensão de um juiz transformado em super-herói e um ex-presidente relegado ao papel de vilão, ao menos para parte do país. Os brasileiros viram até mesmo seu presidente deixar o palácio presidencial alegando a presença de fantasmas. Sim, fantasmas.

O episódio de ontem, com gravações clandestinas e entrega de malas cheias de dinheiro para comprar silêncios e outras coisinhas mais, é outro capítulo de um roteiro impossível de se escrever enquanto ficção. O enredo deixa no chinelo a complicada trama da série americana House of Cards, uma ode à intriga política. Ela mesma, de sua conta oficial do Twitter, reconheceu pouco depois de se desatar a histeria coletiva brasileira: “Tá difícil competir”.

De modo que, uma vez assumido que as cloacas da política brasileira estão fora de controle – “quando a crise brasileira acabar, lá por 2137, abandonarei a ciência política por um trabalho mais estável e previsível como a astrologia”, afirmou o cientista político Mauricio Santoro – só resta a Internet. E diante do descrédito generalizado da classe política, existe um empenho em demonstrar que, ainda, o melhor do Brasil é o brasileiro.

Fonte: elpais.com

Comentários
Carregando