Menina mata o irmão, se mata e deixa carta no Facebook para os pais

“Pai, mãe, perdão. Não consigo. Não adianta fingir. Eu e o Matheus (irmão) não temos futuro. Só um último pedido. Não nos enterre em Monlevade, pelo amor de Deus. Amo vocês”, escreveu a menina em seu Facebook

Uma tragédia foi registrada em uma família do bairro Liberdade, no Barreiro, em Belo Horizonte (MG), na manhã desta terça-feira (27). Uma jovem de 25 anos matou o irmão de 19 anos, que era portador de necessidades especiais, e depois se matou. A menina ainda deixou um bilhete para os pais em seu perfil do Facebook, dizendo que ela e o irmão não tinham futuro.

De acordo com a Polícia Militar, o pai foi chamar a filha Juliana Cristina de Andrade, de 25 anos, por volta das 5h, para ela ir para o trabalho e encontrou a menina já morta com um cinto amarrado ao pescoço e a cabeceira da cama. O homem tirou o cinto da menina e tentou reanimá-la, porém sem sucesso.

Quando a mãe da menina chegou ao quarto ela pegou o celular da filha para acionar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), quando desbloqueou o aparelho, ela encontrou o Facebook aberto  o recado: “Pai, mãe, perdão. Não consigo. Não adianta fingir. Eu e o Matheus (irmão) não temos futuro. Só um último pedido. Não nos enterre em Monlevade, pelo amor de Deus. Amo vocês”.

Assustados com o bilhete, o casal correu até o quarto do filho mais novo Matheus Henrique Andrade, 19, que também estava morto.Eles encontram o menino deitado com as mãos no rosto e a boca bastante ensanguentada. A perícia da Polícia Civil constatou que o jovem foi assassinado. A vítima tinha uma marca roxa no pescoço, aparentemente de enforcamento.

O pai contou aos policiais que a meninas estava sofrendo problemas psicológicos pro causa de uma desilusão amorosa, mas que nos últimos dias ela estava tranquila. Os corpos dos  jovens foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte. A Polícia Civil vai investigar o caso.

Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário